NAIR FORTTES ABU-MERHY

(Educadora)

Nascida na Fazenda da Prata, em Além Paraíba, no dia 20 de novembro de 1909, filha do Capitão Jorge José Fortes e de Maria Martins Fortes, a “Dona Sinhá”, Nair Fortes Abu-Merhy foi considerada umas das mais importantes educadoras brasileiras do século XX.

Professora emérita da Universidade Federal do Rio de Janeiro, educadora pela Associação Nacional das Universidades Particulares do Brasil, ex-conselheira do Conselho Nacional de Educação e membro da Associação Brasileira da Educação e da Academia Brasileira da Educação, na cadeira de Clarice Lispector, a professora Nair Fortes Abu-Merhy foi casada com o medico dermatologista Dr. Miguel Elias Abu-Merhy e tinha uma filha, Helena Maria Fortes Abu-Merhy.

Era bacharel e licenciada em Pedagogia pela Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil e livre-docente e doutora em Administração Escolar pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade do Paraná. Entre distinções e títulos honoríficos, a professora foi homenageada mais de 130 vezes, sendo 12 condecorações, 16 cidadanias honorárias, 37 dignidades acadêmicas e dezenas de outras insígnias e títulos.

Foi também destaque no currículo da educadora alemparaibana um total de 70 atividades didáticas e científicas, abrindo com o cargo de professora de nível médio de Francês e Inglês, em 1928, no Ginásio Além Paraíba, no município onde nasceu. Proferiu um total de 31 aulas inaugurais, conferências e palestras.   Publicou 32 trabalhos e traduziu seis livros.

Aprovada em sete concursos públicos, foi nomeada 11 vezes, sendo a primeira para inspetora de ensino secundário do Ministério da Educação e Saúde, em 1933. Em 1937, assumiu o cargo de técnica de educação da Diretoria Nacional da Educação do MEC; e, em 1970, exerceu o cargo de diretora pró-tempore da Faculdade de Educação da UFRJ, onde também ocupou o cargo de decana do Centro de Filosofia e Ciências Humanas.

A professora Nair Fortes Abu-Merhy participou de várias comissões verificadoras para efeito de autorização e reconhecimento de inúmeras instituições de ensino superior em todo o Brasil, inclusive no reconhecimento da FAFI-PRONAFOR, de Além Paraíba. Em 1960, entrou para o Conselho Nacional de Educação, como conselheira suplente, função que exerceu, ininterruptamente, de novembro de 1968 até janeiro de 1980. Integrou o Conselho Universitário do Rio de Janeiro, como membro nato, de agosto de 1976 até novembro de 1979.

Entre tantos títulos recebidos, destacam-se: Doutora Honoris Causa na UFJF, UFMG, Universidade Castelo Branco e todas as Católicas e Metodistas do Brasil; Medalha da Inconfidência, Medalha Halfeld (Juiz de Fora), Medalha do Mérito Alempraibano; a condecoração pessoal do Santo Padre Papa Pró-Eclesiae dada por João Paulo II e a Comenda do Mérito Mercadante (Além Paraíba).

Nair Fortes Abu-Merhy foi uma dessas pessoas que teve o seu nome definitivamente ligado à história da política educacional brasileira. Construiu seu currículo ao longo de uma vida dedicada à causa da Educação e isso lhe garantiu, em termos definitivos, o respeito de toda a comunidade educacional do País. Foi um patrimônio moral, uma plantadora de esperanças e uma semeadora de ideais. Afastada das lides educacionais depois de longos anos de atividade incessante, mas sem nunca deixar de acompanhar a efervescência dos debates e sem deixar diminuir sua paixão e seu interesse pela Educação, faleceu aos 90 anos de idade, em 16 de maio de 2000, na cidade do Rio de Janeiro, onde seu corpo foi cremado. Na tarde do dia seguinte, atendendo um último pedido, suas cinzas foram enterradas no Cemitério do Santíssimo, em sua terra natal.

Nair Fortes Abu-Merhy sempre impressionou pela postura ética, pela firmeza de princípios, pela transparência de posições e pela densidade de seus conhecimentos. Pelo seu vasto currículo foi, sem qualquer dúvida, a mais importante educadora nascida em terras alemparaibanas.

Publicado na edição n° 318. Texto de Flávio Senra.

Foto: acervo familiar