DR. THEÓPHILO DOS REIS JUNQUEIRA

Em 28 de agosto de 1898, na Fazenda dos Criminosos, em Carmo de Minas, município da região sul-mineira, nasceu Theóphilo dos Reis Junqueira, filho do fazendeiro Joaquim Tibúrcio Junqueira e de Iria Amélia dos Reis Junqueira. Cresceu respirando o ar puro do campo e, após completar o ciclo de estudos fundamentais, ingressou na Faculdade de Direito do Rio de Janeiro, formando-se no início da década de 20 do século passado.

Aos 24 anos, no dia 22 de janeiro de 1922, casou-se com Maria de Lourdes Ferraz Junqueira, filha do fazendeiro Aristides Ribeiro Junqueira e Maria de Lourdes Ferraz Junqueira, passando a residir em Além Paraíba. Tiveram sete filhos: Joaquim Tibúrcio, nascido em Além Paraíba, professor e dono de educandário em Três Rios (RJ), casado com Raquel Monteiro Junqueira; Maria Luíza, nascida em Miracema (RJ), casada com o professor Francisco Cardoso Marques; Vera Dirce, nascida em Miracema, casada com o fazendeiro Salviano Junqueira; Paulo Augusto, advogado e professor, nascido em Miracema, casado com Maria Eni Bruger Junqueira; Heloísa Carmem, nascida em Miracema, casada com o dentista Henrique Junqueira Morais; Regina Célia, nascida em São Lourenço (MG), casada com o fazendeiro Álvaro Gorgulho Junqueira; e Márcio Heleno, nascido em Cruzeiro (SP), dentista, casado com Íris Ferraz Junqueira.

Em 1923, após o nascimento do primogênito, o casal se mudou para Miracema (RJ), onde o jovem advogado foi, também, professor. No início da década de 30 foi residir com a família em São Lourenço (MG), indo, a seguir para Cruzeiro (SP), voltando para Miracema onde ficou até 1939, ocasião em que veio para Além Paraíba.

Em 1938, em viagem a Além Paraíba a trabalho, Dr. Theóphilo dos Reis Junqueira se encontrou com um velho conhecido, o Dr. Alfredo Castelo Branco, que, após longa conversa, propôs negócios de advocacia e convidou a mudar-se, com toda a família, para o município. Sabedor da sua atividade no magistério o convidou, também, para dirigir o Gymnásio Além Paraíba, do qual era acionista e que passava por momentos incertos. Dr. Castelo Branco era um dos fundadores do educandário alemparaibano junto com o Dr. Edelberto Figueira, este então o seu diretor que se encontrava adoentado e cansado da atividade educacional e, por isso, disposto a vender sua parte. Depois de muitas negociações, o Gymnásio Além Paraíba, que era uma sociedade anônima com ações ordinárias iniciais de numerosos acionistas e ações preferenciais (debêntures), passou a ser dirigida pelo Dr. Theóphilo dos Reis Junqueira que comprou várias ações ordinárias e todas as preferenciais, assumindo assim o controle da sociedade.

Em 14 de março de 1939, mudou-se com toda a família para a casa residencial do educandário que sob sua direção teve um grande desenvolvimento, tendo, em poucos anos, o número de alunos aumentado consideravelmente (de cerca de cem alunos, em 1940, passou a mais de oitocentos em 1950). Neste período o educandário passou a Colégio, com diversos cursos além do ginasial: Científico, Normal e Técnico de Contabilidade, em três turnos. Simultaneamente, aumentaram as construções com dois novos prédios e um anexo, com a casa da direção transformada para internato feminino. Além disso, construiu-se uma praça de esportes com campo de futebol e uma quadra para outras atividades esportivas. Foi uma época de ouro para o Colégio Além Paraíba, que contratou educadores de alto nível como Dr. Sylvio Rodrigues Maia, Salvador Vieira de Meneses, Dr. Guttenberg Barbosa Alvim, Dr. Aristóteles Lobo, Dr. Álvaro Costa, João Batista Alvim, entre várias figuras exponenciais da Educação em Além Paraíba.

Dr. Theóphilo dos Reis Junqueira muito contribuiu com a sociedade alemparaibana nas décadas de 1940 e 1950, não só como emérito educador, mas, também, na área da produção rural. Na década de 40, adquiriu uma propriedade rural que era parte da fazenda de seu irmão Odilon dos Reis Junqueira, onde se dedicou, principalmente, à pecuária leiteira. Foi, juntamente com outros produtores rurais, fundador da Cooperativa dos Produtores de Leite de Além Paraíba, tendo elaborado o primeiro estatuto da entidade e sido o seu primeiro Diretor-Presidente, cargo que exerceu por alguns anos.

Participou ativamente do progresso de Além Paraíba, dando sua colaboração a duas das mais importantes atividades sociais do município: a Educação e a Pecuária Leiteira, até hoje uma das molas mestras da economia alemparaibana. Na Educação propiciou à mocidade alemparaibana um trabalho de elevado nível para a época, facilitando o estudo para muitos jovens com descontos nas mensalidades escolares e, em alguns casos, a total gratuidade para os mais necessitados. Também auxiliou a juventude dos municípios da região com os internatos masculino e feminino no educandário que ficou sob a sua direção até o final do ano de 1957, ocasião que este foi vendido.

Aposentado, continuou a residir em Além Paraíba. Em janeiro de 1979, um acidente automobilístico tirou a vida de seu genro Álvaro Gorgulho Junqueira, que residia em Itajubá. Mudou-se, então, para aquela importante cidade da região sul-mineira com a finalidade de dar um maior conforto à filha Regina Célia. Meses depois, em 31 de maio, com 81 anos, Dr. Theóphilo dos Reis Junqueira veio a falecer, sendo seu corpo transladado para Além Paraíba onde foi sepultado no Cemitério do Santíssimo. Sua esposa, Maria de Lourdes Ferraz Junqueira, faleceu em 19 de agosto de 1999.

Além Paraíba, ao contrário da maioria dos municípios brasileiros, tem o costume de pecar contra a memória de muitos homens e mulheres que contribuíram sensivelmente para o seu engrandecimento. É lamentável que, após minuciosa verificação feita pelo ALÉM PARAHYBA, um homem como Dr. Theóphilo dos Reis Junqueira não tenha o seu nome imortalizado dando denominação a uma rua, praça, avenida, uma simples travessa, ou até mesmo um educandário. É lamentável!!!

Publicado na edição nº 330. Texto de Flávio Senra.

Dados e foto fornecidos pela família.