Indústrias filiadas à Fiemg terão energia até 26% mais barata

Acordo pode reduzir custos de 16 mil empresas mineiras.

Investimento em geração de energia solar reduzirá custos de boa parte das indústrias mineiras.

A Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg) assinou na semana passada (23) dois acordos que pretendem ampliar o uso de energia fotovoltaica pelo parque industrial mineiro. A entidade quer diminuir em até 26% o gasto com energia de suas empresas filiadas. O primeiro termo firmado, com a Cemig Sim e a empresa especializada em energia solar Mori, prevê a construção de 32 usinas solares em 17 cidades mineiras, que podem atender até 16 mil indústrias no Estado. Os valores de investimento não foram revelados. Contudo, parcerias anteriores entre a companhia de energia mineira e a Mori totalizam investimento de R$ 650 milhões até o final do ano, com 4.000 empregos, entre diretos e indiretos, sendo criados por causa das operações no período.

A outra parceria, com a mineira Alsol Energias Renováveis, do grupo Energisa, vai fornecer 15 fazendas solares para atender exclusivamente indústrias filiadas à Fiemg, com investimento de R$ 300 milhões. Três dessas usinas já estão disponíveis, enquanto as 12 restantes serão construídas até 2021.

As unidades de geração de energia criadas pelos dois acordos serão edificadas nas regiões Triângulo Mineiro, Norte e Nordeste do Estado. Em ambos os termos, as empresas filiadas à Fiemg não terão custos operacionais. A energia produzida pelas usinas e pelas fazendas solares será descontada daquela usada pelas indústrias, que só precisarão firmar acordo com a entidade. Em um primeiro momento, só empresas com operações de baixa tensão serão contempladas.

Segundo o presidente da Fiemg, Flávio Roscoe, as parcerias são positivas para todo o setor industrial. “A Fiemg tem buscado, sempre, redução de custos. Com isso, teremos mais competitividade e vamos gerar mais renda e empregos em Minas Gerais. É uma obsessão da Fiemg”, afirma.

O diretor de tecnologia e desenvolvimento de negócios da Alsol, Gustavo Malagoli, afirma que “cada planta tem capacidade de até 6 MW, que equivale ao consumo de 6.000 residências”, diz. O presidente da Cemig Sim, Gustavo Gusmão, acredita que as parcerias trarão um diferencial competitivo para as empresas.

Projeto de maior porte está em estudo

A Cemig Sim vai oferecer um plano de geração de energia renovável, focado na matriz fotovoltaica, para grandes indústrias. O projeto, que ainda está em estudo, será anunciado em 2020. Segundo o presidente da empresa, Danilo Gusmão, o produto se baseia no uso de mais de uma fonte de energia simultaneamente e será capaz de abastecer empresas que necessitem de alta tensão para suas operações.

“Estamos trabalhando com um projeto de armazenamento energético, com baterias de lítio, além de outras formas de geração. Estamos desenvolvendo tecnologias novas”, explica. O plano de geração, afirma Gusmão, será competitivo e pode atingir até 50 mil empresas em Minas Gerais, a depender da adesão de empresários. Com isso, a energia sustentável ficará disponível a praticamente todo o parque industrial do Estado. A Cemig Sim informa que, atualmente, consegue atender até 16 mil empresas com energia solar em 783 cidades.

Potencial

Projeção. O Brasil deverá ter um salto de 44% na capacidade instalada de energia solar em 2019, segundo a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar).

Fonte e foto: Fiemg / O Tempo

(Publicado na edição 1073, de 30/10/2019)