Dezenove laboratórios são habilitados pela Funed para testes em Minas

Parte dos testes serão feitos na UFV; previsão é de de quem sejam processadas até 1.800 amostras/dia

02/04/2020 às 20h26 | Por Tribuna de Minas

O Governo estadual ampliará a rede de testes para o novo coronavírus. Único laboratório público em Minas Gerais, a Fundação Ezequiel Dias (Funed) publicou, nesta quinta-feira (2), a habilitação de 19 laboratórios aptos a realizarem o diagnóstico para identificação do vírus. Com a ampliação da capacidade diagnóstica, a previsão é de que sejam processadas até 1.800 amostras por dia, o que irá contribuir para a adoção de medidas contra o coronavírus.

Em Belo Horizonte, além da Funed, os exames também serão realizados pelos laboratórios da Fundação Hemominas, da FioCruz Minas, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), do São Marcos Saúde e Medicina Diagnóstica e do Simile Instituto de Imunologia Aplicada. Os testes também serão realizados em Viçosa e em Rio Paranaíba, pela Universidade Federal de Viçosa (UFV); em Diamantina, pela Universidade Federal do Vale do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM); em Montes Claros, pela Unimontes; em Ipatinga, pelo Hospital Márcio Cunha, da Fundação São Francisco Xavier; em Sete Lagoas, pelo Laboratório Santa Lúcia; em Lagoa Santa, pelo Loci Genética Laboratorial, e em Pedro Leopoldo, pelo Ministério da Agricultura, Abastecimento e Pecuária.

De acordo com a Funed, o método para a realização dos exames será o RT-PCR, que identifica o material genético (RNA do vírus) presente na amostra. A técnica é a indicada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e é baseada no princípio da reação em cadeia da polimerase (PCR) para identificar o material genético dos vírus.

Testes rápidos

Em entrevista à imprensa, nesta quinta, via videotransmissão, o secretário adjunto de saúde, Luiz Marcelo Cabral Tavares, e o subsecretário de vigilância em saúde, Dario Brock Ramalho, atualizaram o cenário da Covid-19 em Minas. Na ocasião, eles explicaram sobre testes rápidos, enviados pelo Ministério da Saúde. “Temos que ressaltar sempre que o teste rápido não substitui o PCR, exame realizado na Funed, e que analisa a presença do vírus na mucosa e nas secreções nasais. Os kits de testes rápidos identificam anticorpos já gerados pelo vírus, ou seja, eles têm como objetivo saber se pessoa já teve ou não contato com a doença em algum momento de sua vida. O teste rápido não serve para identificar se a pessoa possui, neste momento, o coronavírus. Ele apenas detecta se ela já teve, no passado, a infecção. Nesta fase essencial, será restrito aos profissionais de saúde e de segurança, essencialmente para recompor força de trabalho, pois o exame é eficaz somente após sete dias, tempo em que o organismo desenvolve anticorpos contra a doença”, explicou Brock Ramalho.

Na ocasião, o secretário adjunto de saúde também deu um panorama sobre a situação dos leitos no estado. De acordo com ele, em todo estado, há, atualmente, 2.013 leitos UTI adulto. Deste total, há 66 pacientes internados em decorrência da Covid-19 ou por suspeita da doença. A taxa de ocupação de leitos de UTI, em relação ao coronavírus, é de 3%. O Estado possui ainda 11.625 leitos clínicos. Desses, 286 estão ocupados por pessoas internadas em decorrência da Covid-19 ou por suspeita da doença. A taxa de ocupação de leitos clínicos, em relação à Covid-19, é de 2%, segundo Cabral. Ainda conforme o titular, a taxa de ocupação, de forma geral, está em cerca de 60% no estado.