O Globo pode ser taxado de jornal sério?

Por Flávio Senra (*)

Acompanhando os números da pandemia do COVID-19 neste domingo (17), testemunhei a vil e covarde desinformação que um dos maiores jornais do país, O Globo, vem fazendo com o simples propósito de atacar o atual Governo Federal e deixar a população brasileira mais apavorada do que está.

Ressalto, sem receio algum, que tal ato vem sendo seguido por outros grandes diários brasileiros, como os jornais Folha de São Paulo e Estado de São Paulo, simplesmente porque as verbas públicas que os sustentavam foram literalmente cortadas pelo presidente Jair Messias Bolsonaro, que acertadamente acabou com a mamata que existia desde os idos de FHC, e continuou com Lula, Dilma e Michel Temer.

Na página 9 da edição deste domingo, o jornal fundado por Irineu Marinho (1876/1925), que teve o seu ápice editorial sob a batuta de seu filho Roberto Marinho (1904/2003), levou aos leitores uma reportagem tendenciosa sobre a peste que assola o mundo de hoje, que tinha o seguinte título – ESPECIAL CORONAVÍRUS – À FRENTE DE ITÁLIA E FRANÇA, BRASIL É O 4º PAÍS EM CASOS DE COVID-19.

A reportagem tem a assinatura do jornalista Leonardo Prazeres, certamente com o aval dos editores-executivos do diário carioca que ora listo: Maria Fernanda Delmas, Alessandro Alvim, André Miranda, Fernanda Godoy, Flávia Barbosa e Pedro Luiz Dias Leite, bem como do diretor-geral Frederic Zoghais Kachar, dos herdeiros do grupo empresarial Roberto Irineu Marinho, José Roberto Marinho e José Roberto Marinho, e do presidente-executivo Jorge Nóbrega.

Não que as informações da reportagem sejam mentirosas, mas são absurdamente vis e tendenciosas ao oferecerem alguns números e deixando outros de lado. Realmente, de acordo com o balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, o Brasil estava, até o momento do fechamento daquela edição, com 233.142 casos confirmados da doença e 15.633 mortos, enquanto a Itália tinha 224.760 casos e a Espanha 230.698. A reportagem ainda apresentou números do Reino Unido (Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlanda do Norte), Estados Unidos, França e outros países, só que com a clara intenção de levar ao público leitor o pânico e a desinformação.

Durante longos anos fui assinante do O Globo, inclusive acompanhei e adquiri inúmeras obras primas impressas pelo diário carioca, verdadeiras preciosidades que relatam e registram partes da história brasileira, em especial da cidade do Rio de Janeiro. São obras que jamais deixarei de admirar e, quando o tempo me permite, rever e curtir.

Tive ainda o grande prazer de conhecer pessoalmente um de seus mais valiosos colaboradores, o meu conterrâneo professor e escritor Zuenir Carlos Ventura, a quem tive a honra de representar junto a Câmara Municipal de Além Paraíba quando este foi homenageado com a Comenda do Mérito Mercadante, outorgada pela vereadora Guaraciaba Germelo de Marca. Devo ainda ressaltar, que o meu hábito pela leitura se deve em parte ao jornal O Globo, vinda de minha infância lendo os quadrinhos da edição dominical que meu saudoso pai tinha por hábito adquirir na banca do também saudoso Fidélis Manes, um italiano que sempre me traz boas lembranças.

Mas esses detalhes no momento não nos importam. O importante é solicitar que você, amigo leitor, conheça mais dados sobre o COVID-19 no Brasil e em outros países do mundo, parte oferecidos na edição deste domingo do diário carioca, e faça a sua avaliação – O Globo pode ser tratado como um jornal sério?

Eis os números:

PAÍSPOPULAÇÃOCASOS
CONFIRMADOS
MORTES
Brasil209,5 milhões233.14215.633
EUA329,6 milhões1.456.02988.675
Reino Unido67,9 milhões241.45534.546
Itália60,4 milhões224.76031.763
Espanha45,6 milhões230.69827.563
França65,8 milhões180.00027.532
Fonte: O Globo e Google

(*) Flávio Senra é o editor do Jornal Além Parahyba desde junho/1993