Prefeito responde a requerimento da Associação Comercial sobre possível reabertura do Comércio

O comércio alemparaibano sofre devido a determinação da municipalidade para que mantenham as portas fechadas para o atendimento ao público. (Foto: Flávio Senra)

Em resposta a uma SUGESTÃO da Associação Comercial e Empresarial de Além Paraíba (ACE-AP) que fora enviado através de requerimento no sentido de afrouxar o isolamento social e conseqüente promover a reabertura sob condições do comércio alemparaibano, o prefeito Miguel Belmiro de Souza Júnior, antes mesmo de falar sobre o assunto respondeu “que está sempre disposto a se reunir com a ACE-AP desde que seja convidado para reuniões”, o que para muitos pode ser e foi entendido como uma tremenda falta de respeito já que a entidade não está sob o seu jugo.

Quanto a sugestão, Miguelzinho deixou claro que é literalmente contrário ao afrouxamento do isolamento social e a reabertura do comércio, mesmo com condições a serem seguidas através de regras – “é inviável no momento em que os números da COVID-19 sobem em todo o País simplesmente flexibilizar e que pelo menos até 31 de maio a situação ficará como se encontra hoje, ou seja apenas os essenciais funcionando”, disse o prefeito. Miguelzinho ainda lembrou “que é preciso que a prefeitura siga empenhada em dotar o Hospital de mais respiradores e leitos de UTI para que eventuais aberturas possam ocorrer em etapas”, o que até o momento não aconteceu apesar de já contar com autorização da Câmara Municipal para efetivar empréstimo junto ao Banco do Brasil, bem como contar com alguns recursos financeiros já disponíveis em caixa que foram alocados através de emendas de parlamentares.

Em sua correspondência, o prefeito salienta estar preocupado com a economia do município, e diz entender a grave situação financeira do empresariado de um modo geral. Entretanto, não toma medidas para conter o alto custo de alguns produtos que em Além Paraíba custam bem mais que vários municípios da região e da Mata Mineira, como os de combustíveis que são cobrados pelos postos de abastecimentos existentes na cidade, o que pode ser entendido como a formação de um verdadeiro cartel.

O Prefeito ainda relatou que é necessário manter a curva da pandemia sob controle para que o sistema local de saúde não entre em colapso, mas não explica os motivos dos incontáveis reclamos da direção do Hospital São Salvador recentemente feitos, cerca de uma semana atrás, por seu provedor Rafael Gracioli através do repórter Renato Machareth.

É de conhecimento geral que várias empresas já estão fechando as portas de vez em Além Paraíba, o que vem aumentar a quantidade de desempregados no município, sem contar que inúmeros são os Micro-Empreendedores Individuais (MEI’s) que dificilmente conseguirão voltar ao trabalho.

Infelizmente, é a opinião de vários pequenos e médios empresários alemparaibanos, que ao final da pandemia o que lhes vai restar é juntar os trapos buscar outro meio de sobrevivência.

Em conversa com a gerência administrativa da ACE-AP, a instituição entende o momento crítico envolvendo a saúde do povo em geral e que em momento algum deseja entrar em conflito com o poder público. Para a gerente, Alina Gomes, a instituição está disposta a ouvir e auxiliar na busca de uma alternativa que possa melhorar as condições do empresariado alemparaibano em geral, alguns à beira de um colapso que poderá ser irreversível.

Segundo Alina, dentro dos próximos dias deve acontecer uma reunião com o prefeito e a diretoria da ACE-AP, sendo que a responsabilidade do agendamento do encontro está nas mãos da municipalidade.