Estado projeta pico da pandemia em Minas para 19 de julho

Segundo estimativa, novos casos confirmados passariam de 2 mil em 24 horas.

O secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, durante coletiva de imprensa nesta quinta-feira, 04 de junho. (Foto: Gil Leonardi/SES – Divulgação)

Minas Gerais poderá atingir o pico da “curva” ascendente de contaminados pelo novo coronavírus (Covid-19) no dia 19 de julho. Essa á a última estimativa do Governo, revelada pelo secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, durante coletiva de imprensa nesta quinta-feira (4). “Projeções são projeções, não temos como ter certeza absoluta. Para cada uma traçamos ações e metas com o objetivo de que não tenhamos picos. Servem não para se tornar realidade, mas para termos ferramentas de gestão, com ideia de prazo, de incidência e de demanda pela ocupação hospitalar. A projeção atual revela que o pico estaria projetado para 19 de julho, com 2.047 casos aproximados (no dia)”, destacou.

Para que a alta incidência de novas pessoas doentes em 24 horas não se torne uma realidade, o secretário reforçou a necessidade do isolamento. “Estamos caminhando para o pico em julho. Ou seja, para evitá-lo, precisamos descobrir uma forma de manter o isolamento com o convívio normal. Cada dia mais estamos entendendo isso: o uso de máscaras, o distanciamento adequado. Peço ao mineiro que reflita o que ele pode fazer, individualmente, para melhorar o isolamento, porque quanto mais isolamento tivermos, menor será o impacto na vida de cada um.”

Amaral começou a coletiva fazendo uma contextualização: “Estamos hoje completando quatro meses do que foram os primeiros estudos e as primeiras ações, no início de março, no sentido de enfrentamento à Covid. Naquele momento, tínhamos várias projeções de picos que eram muito intensos e com um risco muito grande para a saúde pública. Criamos e desenvolvemos o hospital de campanha da Expominas. Hoje, no início de junho, nós teríamos esse hospital entrando em operação. Felizmente, com todas as medidas que tomamos, com o isolamento social, com a colaboração da sociedade, temos hoje as projeções de pico para meados de julho. Isso nos deu uma folga para que pudéssemos continuar tomando medidas cada vez mais sérias e adequadas na gestão.”

Segundo ele, a Secretaria Estadual de Saúde, junto com a Polícia Militar e a Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag), vai lançar um chamamento público para seleção com objetivo de compartilhar a gestão do hospital Expominas e das demais unidades vinculadas ao Estado como hospitais de campanha. “Isso para nós é muito importante, traz uma ideia da qualificação dos gastos públicos.” Até o momento, segundo ele, a estruturação da Expominas, que está com os leitos prontos, foi de R$ 5 milhões.

Sobre o boletim epidemiológico desta quinta-feira (4), que apontou 13.034 casos confirmados em Minas e 323 óbitos por Covid-19, o secretário de Saúde lembrou: “Estamos tendo confirmação maior de casos, mas é importante ressaltar que, nos últimos dias, devido à descentralização dos testes rápidos, tivemos aumento significativo dos exames realizados pelos municípios e, com isso, passamos a ter uma totalização de casos maior.”

Questionado sobre o fato de Minas não ter apenas um epicentro da doença, o secretário destacou que o estado tem uma densidade demográfica e perfil de habitantes bem diferentes de outros. “Apenas 12% vivem na capital, então esperamos aumento de casos no interior, porque a população é muito maior.” Segundo ele, até esta quarta, 16% das vítimas da Covid estavam concentradas na capital. “Isso mostra que o interior tem quantidade de casos significativos. Do ponto de vista assistencial, quanto mais dispersos, melhor, para a não explosão dos casos em todo o estado.”

110 municípios aderem ao Minas Consciente

Ainda nesta quinta, o secretário adjunto de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio, informou que o programa Minas Consciente, que propõe a retomada gradual e planejada das atividades por meio de etapas definidas por cores, conta, até o momento, com a adesão de 110 municípios mineiros, impactando três milhões de habitantes. “Esse programa tem tido uma boa adesão e isso tem sido muito importante para que tenhamos uma ação coordenada entre os municípios, ressaltando sempre que a decisão pela adesão passa sempre pelo prefeito.” Ainda na linha do retorno gradual, “seguro e responsável” das atividades, o secretário informou que, após uma análise profunda, foi deliberado o retrocesso da região Noroeste do estado da onda branca para a onda verde, a mais restritiva delas, “em razão de seus índices epidemiológicos”.

Passalio também falou das mudanças em relação aos segmentos: “Esta semana foi deliberada a migração dos salões de beleza da onda vermelha para a onda amarela. Então os municípios que estão na onda amarela poderão ter, mediante os protocolos, seus salões de beleza funcionando.” Ele ainda reforçou que os hotéis estão na onda verde, como foi definido na semana passada. Ainda houve alteração em relação aos shoppings, que deixam de ser “zonas proibidas”. “As lojas do interior dos shoppings poderão funcionar na mesma dinâmica da onda que o município está.” O secretário adjunto lembrou que os protocolos em relação aos shoppings serão bem rígidos para os consumidores terem experiências seguras e responsáveis.

Na oportunidade, o novo comandante geral da PM de Minas, coronel Rodrigo Souza, reforçou que as operações policiais estão ocorrendo normalmente e que o plano de contingência de combate à Covid prossegue com todas as etapas planejadas.

Fonte: Tribuna de Minas / Sandra Zanella