Minas deve receber mais de 23 milhões de vacinas contra Covid até julho

O quantitativo é suficiente para vacinar aproximadamente 10 milhões de pessoas, quase metade dos 21 milhões de mineiros ainda no primeiro semestre.

De acordo com o governador Romeu Zema, MG receberá 23 milhões de doses até julho. (Foto: Reprodução)

Minas Gerais deve receber mais de 23 milhões de doses da vacina anti-Covid até o fim de julho, conforme anunciou o governador Romeu Zema (Novo) ontem (quarta-feira / 17), após reunião do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, com os representantes dos Estados. Desse total, 10 milhões devem chegar ainda em abril.

A expectativa é que, em março, o país receba 46 milhões de doses. Em abril, são esperadas mais de 57 milhões de doses do imunizante. De acordo com Zema, Minas vai receber 10% do total das doses anunciadas. “Tivemos 10 milhões de vacinas em todo o Brasil em janeiro, 11 milhões em fevereiro e agora, no mês de março, estão previstas 46 milhões de vacinas. Para abril, 57 milhões. Minas Gerais, que representa 10% da população do Brasil, recebe cerca de 10% desse total. A previsão é que a fila comece a andar com muito mais rapidez”, explicou.

Considerando a necessidade de duas doses para completar imunização, o quantitativo é suficiente para vacinar aproximadamente 10 milhões de pessoas, quase metade dos 21 milhões de mineiros ainda no primeiro semestre.

Desde o início da vacinação no Estado, o Ministério da Saúde enviou para Minas Gerais, 1.171.180 doses de vacinas contra a Covid-19. Segundo o Vacinômetro da Secretaria de Estado de Saúde, já foram aplicadas 422.713 primeiras doses do imunizante.

De acordo com o Ministério da Saúde, até julho serão entregues 230,7 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 no país. As próximas entregas aos estados acontecem ainda em fevereiro. Serão 2 milhões de doses da AstraZeneca/Fiocruz, importadas da Índia, e 9,3 milhões da Sinovac/Butantan, produzidas no Brasil. Em março, a pasta também aguarda a chegada de 18 milhões de doses da vacina do Butantan e mais 16,9 milhões da vacina da AstraZeneca. “(Será) o suficiente para dar tranquilidade de proteção à população contra essa doença”, afirmou o ministro, Eduardo Pazuello.

O cronograma do primeiro semestre apresentado pelo ministro também leva em conta as negociações com os laboratórios União Química/Gamaleya e Precisa/Bharat Biotech, que garantirão ao Brasil a chegada da vacina russa Sputnik V e da indiana Covaxin, respectivamente. A previsão é de que o contrato com os dois laboratórios seja assinado ainda nesta semana.

Fonte: O Tempo – Por Letícia Fontes