‘Teremos o março mais triste de nossas vidas’, diz pneumologista da Fiocruz

‘Isso é resultado do Carnaval e do descompasso entre o que nós, cientistas, dizemos, e o que as autoridades afirmam’.

O mês de março tende a ser o pior desde que o primeiro caso de infecção por coronavírus foi descoberto no Brasil. A avaliação é da pneumologista Margareth Dalcomo, professora e pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, em entrevista à BBCBrasil.

“E agora eu não tenho dúvida de que teremos o mais triste março de nossas vidas. Isso é o resultado do Carnaval e do descompasso entre o que nós, cientistas, dizemos, e o que as autoridades afirmam. Nos últimos dias, ouvimos que não é pra usar máscaras. Não há dúvidas, está demonstrado que a máscara é uma barreira mecânica que protege quem usa e todo mundo ao redor”, afirmou a pesquisadora.

Para acrescentar: “Todos esses fatores somados ao cansaço de uma pandemia tão longa, geram um comportamento que tem se mostrado desastroso. O que vemos agora é uma então é uma pressão enorme sobre o sistema de saúde, que sofre com uma taxa de ocupação de leitos acima de qualquer nível desejado em hospitais públicos e privados”, concluiu.

Fonte: Carta Expressa / Foto: Reprodução Arquivo Pessoal