Juiz de Fora está entre cidades com mais mortes por Covid-19

Levantamento do jornal Folha de S. Paulo demonstra que nova fase da pandemia no país é 40% mais letal em grandes cidades do país.

Juiz de Fora está entre os 50 municípios brasileiros que registraram uma ‘explosão’ de óbitos por Covid-19. O levantamento foi realizado pelo jornal “Folha de S. Paulo” e divulgado na sexta-feira (13), quando demonstra que esta segunda fase da pandemia no país é até 40% mais letal que a primeira nas grandes cidades do Brasil. Em Juiz de Fora, até este domingo (14), 887 pessoas foram vítimas da doença.

Para a pesquisa, o jornal realizou uma comparação entre as semanas com mais mortes em dois períodos distintos, em cidades com mais de cem mil habitantes, “onde os dados tendem a ser mais confiáveis”. No caso, o veículo considerou o período entre os meses de março e outubro de 2020 como primeira fase, e entre novembro até a semana passada como segunda fase. O resultado aponta que o pico, atualmente, é pelo menos 80% maior do que o observado no ano passado.

O monitor da Folha de aceleração da Covid-19 demonstra que 68% das grandes cidades estão em estágio acelerado, ou seja, com crescimento rápido de novos casos, ou estável, com estabilização do crescimento, mas em um patamar alto. Juiz de Fora está neste segundo grupo, entre as cidades cujo pico de mortes teve uma diferença maior entre a primeira e a segunda fase.

Conforme destacado pela pesquisa, os recordes negativos de óbitos começaram a ser batidos em dezembro e se estendem até o momento atual. Jaú (SP), Chapecó (SC) e Santa Cruz do Sul (RS) foram os locais com as pioras mais graves. A pesquisa do jornal ainda aponta que a região Sul do país teve maior agravamento da doença, com hospitais lotados e sistema de saúde em colapso. Neste caso, nove em cada dez dos grandes municípios bateram recorde no número de mortes no intervalo de uma semana, sendo que, em 26% deles, o valor chega a ser o dobro do registrado no ano passado.

Observando os estados, quatro deles estão com a segunda fase da pandemia ao menos 80% pior do que a primeira. É o caso do Paraná, Rio Grande do Sul, Amazonas e Roraima. Em oito estados, incluindo Minas Gerais, o pico de mortes também ocorre na segunda fase da pandemia. Nas demais 15 unidades federativas, o pico de óbitos foi maior na primeira fase.

Confira as cidades que bateram recorde de mortes

Angra Dos Reis (RJ)

Apucarana (PR)

Araraquara (SP)

Ariquemes (RO)

Assis (SP)

Bagé (RS)

Barbacena (MG)

Barra Do Piraí (RJ)

Cabo Frio (RJ)

Camaçari (BA)

Caraguatatuba (SP)

Cascavel (PR)

Catalão (GO)]

Caxias Do Sul (RS)

Chapecó (SC)

Criciúma (SC)

Curitiba (PR)

Divinópolis (MG)

Erechim (RS)

Florianópolis (SC)

Gravataí (RS)

Guarapuava (PR)

Guaratinguetá (SP)

Itacoatiara (AM)

Jaú (SP)

Ji-Paraná (RO)

Juiz De Fora (MG)

Londrina (PR)

Manaus (AM)

Marília (SP)

Maringá (PR)

Mauá (SP)

Niterói (RJ)

Ourinhos (SP)

Passos (MG)

Petrolina (PE)

Petrópolis (RJ)

Poços De Caldas (MG)

Ponta Grossa (PR)

Porto Velho (RO)

Resende (RJ)

Santa Cruz Do Sul (RS)

Santarém (PA)

Santo André (SP)

São Carlos (SP)

Sapucaia Do Sul (RS)

Teresópolis (RJ)

Umuarama (PR)

Uruguaiana (RS)

Varginha (MG)

Fonte: Tribuna de Minas