Onda Roxa em Minas é prorrogada: ‘muito cedo para falar em flexibilização’

Secretário de Estado de Saúde disse que a redução dos indicadores ainda é lenta no Estado, e restrições vão até o domingo de Páscoa.

Fábio Baccheretti, novo secretário estadual de Saúde de MG (Foto: Reprodução)

O governo de Minas prorrogou a Onda Roxa do Minas Consciente até o dia 4 de abril, domingo de Páscoa. O objetivo, de acordo com o Secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti, é estender o tempo de isolamento para melhorar os indicadores sobre a evolução da pandemia – que estão em queda em sua maior parte, mas numa proporção muito lenta. Segundo o secretário, é cedo para falar em qualquer tipo de flexibilização.

“O isolamento de Minas e do Brasil vem subindo, mas de uma forma muito lenta. As regiões que estão em Onda Roxa há mais tempo vêm já sentindo o impacto, só que a ocupação de leitos ainda não”, afirmou em entrevista coletiva. Atualmente, 714 pessoas aguardam vaga em leitos de UTI em Minas. Com a prorrogação da Onda Roxa, o objetivo é reduzir o número de casos e a fila por internação.

Os resultados, segundo Baccheretti, só serão percebidos nas próximas semanas. “É muito cedo para qualquer tipo de flexibilização”, disse o secretário. Ele ressaltou que aderir às restrições é uma decisão humanitária que deve ser compartilhada por todos os municípios de Minas.

Vacinação

Fábio Baccheretti reforçou que as medidas de isolamento associadas ao crescimento da velocidade de vacinação são fundamentais para garantir o controle da pandemia. Segundo o secretário, o lote mais recente de imunizantes enviados pelo Ministério da Saúde será distribuído aos municípios entre esta quarta (24) e esta quinta (25). 

Recorde

Ontem (quarta-feira/24), Minas Gerais bateu recorde de mortes pelo coronavírus em 24 horas, com 374 registros. O número de casos contabilizados da doença também foi recorde e chegou a 13.796.

Fonte: O Tempo / Por Bruna Carmona