OPINIÃO: Enquanto você focava no circo ambientalista, o STF promovia o circo da impunidade

Por Rodrigo Constantino (*)

A mídia e a esquerda, basicamente sinônimos, esqueceram da pandemia por um dia para só falar de clima, por conta da Cúpula do Clima promovida por Joe Biden. O intuito era demonizar Bolsonaro e o ministro Salles, mas o tiro saiu pela culatra: o governo americano considerou construtiva a fala do presidente brasileiro.

Nada disso acalmou nossa esquerda, claro. Se Bolsonaro fizesse um discurso de conflito, chamando os globalistas de hipócritas, a turma esquerdista estaria dizendo que ele é um irresponsável que prejudica o Brasil; como fez discurso apaziguador, chamam-no de cínico e mentiroso. Não importa o que ele diz, será sempre atacado.

No mais, o que nossa esquerda clorofila finge não perceber é aquilo que realmente está por trás de tanta “preocupação” com nosso bioma na Amazônia. Alexandre Garcia resumiu bem: “Nós precisamos ficar com o pé atrás com uma coisa que um amazônida chamou de ‘imperialismo ecológico’. Estão querendo impor que o Brasil seja mais sustentável, mas isso é porque nós somos concorrentes dos Estados Unidos na agropecuária”.

Mas enquanto todos olhavam para Biden, Macron, Trudeau e seus lindos discursos sobre como salvar o planeta, o nosso Supremo Tribunal Federal aprontava mais uma. O ex-juiz Sergio Moro foi considerado suspeito de um julgamento que não valeu, eis o resumo da ópera bufa. O Brasil, definitivamente, não é para amadores. J.R. Guzzo resumiu bem:

“A única coisa que aconteceu de fato, no mundo das realidades, é que os ministros do STF livraram o ex-presidente, ilegalmente, dos processos que estavam travando a sua carreira política — e, dessa forma, o transformaram no seu candidato pessoal à presidência da República.”

Lula solto, processos tendo de recomeçar do zero e com alta chance de prescrição, e a campanha para 2022 já segue a todo vapor. Assim como o esforço da imprensa em normalizar o corrupto do Foro de SP. A cada dia tem alguém forçando muito a barra para colocar o socialista defensor da ditadura cubana como um político de centro. Hoje foi a vez da Folha citar o ex-ministro Walfrido Mares Guia, alegando que o pobre homem sofre, vejam só, preconceito dos empresários!

Para dar aquela ajudinha na campanha, o circo não pode parar. É por isso que vem aí a CPI do Covid, não para focar nos estados e municípios, onde há fartos indícios de desvios, mas sim na suposta omissão do governo federal. Lacombe foi direto ao ponto: “A CPI é uma gororoba, é inoportuna, feita por e para oportunistas. Seus interesses vêm sempre à frente. E o país vai quebrando, afundado em dívidas, em insolvência, em pobreza”. Mas não é esse mesmo o objetivo da turma do quanto pior, melhor?

Não pensem vocês que, diante de tanta descalabro, o foco dos nossos “liberais” aponte para esse circo todo. Não: eles são os próprios palhaços encarregados de colaborar com a audiência! Os PsolKids do MBL, João Amoedo do Novo e demais “liberais” mal saíram em defesa da Lava Jato ou para condenar veementemente o STF na pirotecnia desta quinta. Eles estão mais preocupados em se unir ao invasor Stedile do MST em sua grande obsessão… o impeachment de Bolsonaro!

(*) Rodrigo Constantino é jornalista e colunista na Gazeta do PovoFonte: Gazeta do Povo / Leia mais em: https://www.gazetadopovo.com.br/rodrigo-constantino