Saúde assina acordo para compra de mais 100 milhões de vacinas da Pfizer

Conforme a pasta, o segundo termo assinado prevê que os imunizantes sejam entregues entre setembro e dezembro deste ano

Foto: THOMAS KIENZLE / AFP

O Ministério da Saúde anunciou nesta sexta-feira (14) assinatura de contrato com a Pfizer para aquisição de 100 milhões de doses da vacina contra Covid-19 desenvolvida pela empresa junto ao BioNTech. Conforme a pasta, o segundo termo assinado prevê que os imunizantes sejam entregues entre setembro e dezembro deste ano. 

“O Ministério da Saúde tem feito um esforço para obter mais doses e assim imunizar a população brasileira. O objetivo do Ministério é, até o final do ano, ter esse público todo vacinado. Hoje assinamos o contrato com a Pfizer de mais 100 milhões de doses de vacina. Com esse esforço, temos a confiança que vamos conseguir atingir essa meta”, pontua o ministro da Saúde, Marcelo Queiro, em nota.

Com o novo acordo, há perspectiva de que 200 milhões de doses da vacina da Pfizer contra a Covid-19 sejam entregues até o final de 2021. O primeiro contrato foi assinado em março deste ano, com início das entregas em abril. 

“Estamos muito felizes em celebrar esse acordo adicional e, assim, ampliar nosso apoio à imunização de milhões de brasileiros”, disse a presidente da Pfizer Brasil, Marta Díez, no texto encaminhado à imprensa.

O cronograma do Ministério da Saúde informa que 2,5 milhões de doses do imuniante devem ser entregues até o final de maio, e 12 milhões até o final de junho. “O restante será entregue de forma escalonada até setembro – a previsão é de que, a partir de setembro, as 100 milhões de doses adicionais comecem a chegar ao País, finalizando a entrega até o fim do ano”, conclui a pasta.

Rejeição de propostas foi revelada na CPI da Covid-19

O diretor geral da Pfizer na América Latina, Carlos Murillo, afirmou em sessão na CPI da Covid-19 nessa quinta-feira (13) que a farmacêutica fez duas ofertas de fornecimento de vacinas ao governo Bolsonaro em agosto do ano passado.

Mais duas propostas foram apresentadas em novembro de 2020. Todas foram recusadas pelo governo federal e, só em março de 2021, quase sete meses depois da primeira oferta, foi fechado o primeiro contrato para compra de vacinas contra a Covid.

Confira o detalhamento das propostas

Em 14 de agosto de 2020, foram duas ofertas:

1) 30 milhões de doses, sendo:
– 500 mil em 2020
– 1,5 milhão no 1º trimestre de 2021
– 5 milhões no 2º trimestre de 2021
– 14 milhões no 3º trimestre de 2021
– 9 milhões no 4º trimestre de 2021 

2) 70 milhões de doses, sendo:
– 500 mil ainda em 2020
– 1,5 milhão no 1º trimestre de 2021
– 5 milhões no 2º trimestre de 2021
– 33 milhões no 3º trimestre de 2021
– 30 milhões no 4º trimestre de 2021

Em 18 de agosto de 2020, foram duas novas propostas:

3) 30 milhões de doses, sendo:
– 1,5 milhão em 2020
– 1,5 milhão no 1º trimestre de 2021
– 5 milhões no 2º trimestre de 2021
– 14 milhões no 3º trimestre de 2021
– 8 milhões no 4º trimestre de 2021

4) 70 milhões de doses, sendo:
– 1,5 milhões em 2020
– 1,5 milhão no 1º trimestre de 2021
– 5 milhões no 2º trimestre de 2021
– 33 milhões no 3º trimestre de 2021
– 29 milhões no 4º trimestre de 2021

Em 26 de agosto de 2020, foram duas novas ofertas:

5) 30 milhões de doses, sendo:
– 1,5 milhão em 2020
– 2,5 milhões no 1º trimestre de 2021
– 8 milhões no 2º trimestre de 2021
– 10 milhões no 3º trimestre de 2021
– 8 milhões no 4º trimestre de 2021

6) 70 milhões de doses, sendo:
– 1,5 milhão em 2020
– 3 milhões no 1º trimestre de 2021
– 14 milhões no 2º trimestre de 2021
– 26,5 milhões no 3º trimestre de 2021
– 25 milhões no 4º trimestre de 2021

Em 11 de novembro de 2020, uma nova proposta:

7) 70 milhões de doses, sendo:
– 2 milhões no 1º trimestre de 2021
– 6,5 milhões no 2º trimestre de 2021
– 32 milhões no 3º trimestre de 2021
– 29,5 milhões no 4º trimestre de 2021

Em 24 de novembro de 2020, outra proposta:

8) 100 milhões de doses, sendo:
– 8,7 milhões no 2º trimestre de 2021
– 32 milhões 3º trimestre de 2021
– 59 milhões 4º trimestre de 2021

Em 8 de março, a última proposta, essa aceita:

9) 100 milhões de doses, sendo:
– 14 milhões pra 2º trimestre de 2021
– 86 milhões 3º trimestre de 2021

Fonte: O Tempo