Exército avisa ao STF que sigilo do General Eduardo Pazuello é “assunto interno”

O Exército Brasileiro, em mensagem encaminhada ao Supremo Tribunal Federal (STF), avisou que a determinação de decretar sigilo de 100 anos no processo contra o general Pazuello é um “assunto interno”. A instituição também solicitou ainda que a ministro Cármen Lúcia, relatora do caso, não acate a ação apresentada pela oposição do governo federal.

PC do B, PDT, PSOL e PT foram os partidos que entraram com uma ação que pede a suspensão do sigilo por considerá-lo uma “grave afronta” à democracia, à moralidade administrativa e à liberdade de informação.

O processo em questão trata-se da participação do ex-ministro da Saúde em um ato junto ao presidente da República, Jair Bolsonaro, em maio deste ano. Posteriormente a uma averiguação, o Exército Brasileiro achou que não deveria punir o general Pazuello e impôs sigilo das informações processuais.

O órgão argumentou ao Supremo que “somente cumpriu” o que termina a Lei de Acesso à Informação e que “não foi o administrador militar quem impôs a restrição de acesso ao documento, mas sim” a lei.

A mensagem foi assinada pelo coronel Marcelo Silva Rodrigues, chefe de assessoria para Assuntos Jurídicos do Gabinete do Comandante do Exército.

Fonte:Pleno news