OPINIÃO: É golpe!

Por Rodrigo Constantino (*)

Ao arrepio da lei, rasgando uma vez mais a Constituição, ignorando a necessidade de passar pela PGR, o ministro Barroso solicitou ao colega Alexandre de Moraes que inclua o presidente Jair Bolsonaro no inquérito das Fake News, o “inquérito do fim do mundo”.

Respondendo a uma pergunta minha no Jornal da Manhã desta terça (03 ago), o senador Marcos Rogério subiu o tom: “Estamos diante de uma agressão sem precedentes à Constituição. Uma agressão ao devido processo legal. Sou um crítico do inquérito das fake news desde o seu nascedouro porque ele já nasceu errado. O que nasce errado não termina certo”.

O senador acrescentou: “São arbitrariedades e ilegalidades que continuam acontecendo. Com relação ao presidente da República, isso me parece o ápice das barbaridades, o ápice das ilegalidades. Se querem processar o presidente, que o façam seguindo o devido processo legal”.

Leandro Ruschel disse: “Soltaram o maior ladrão da história e líder da implementação de ditaduras no continente, enquanto querem prender o presidente que não roubou nada e defende as liberdades individuais diante da escalada de arbitrariedades, sob a desculpa da pandemia”. Ruschel também comentou: “O presidente da República passou a ser alvo de investigação dentro de um inquérito incostitucional aberto de ofício pelo Supremo, sem nenhuma participação do Ministério Público. Chegamos nesse ponto”.

Ruschel antecipou o próximo ato dessa ópera bufa: “Depois de colocar o presidente da República em inquérito aberto de ofício, sem participação alguma da PGR, como prevê a lei, só está faltando mais um ato para a coroação da nossa ‘democracia’ iluminada: a cassação do presidente por mero despacho”. Alguém dúvida? Alguém ainda ficaria surpreso? Teoria da conspiração? Paranoia? Sei…

Kim Paim comentou: “A imprensa ‘isenta’ celebra mais um golpe para ajudar a eleger o LULA em 2022”. Em outra postagem, Kim perguntou: “Derrubar Bolsonaro no tapetão é a coisa mais horrorosa e abjeta que existe. Soltaram o Lula, tornaram ele elegível, não querem transparência nas eleições e ainda querem remover Bolsonaro à força? Que país é esse?”

Claudia Wild desabafou: “A máxima toga dobrou a aposta na lambança inconstitucional: ex officio criou mais um monstrengo ilícito, agora contra a autoridade máxima do Executivo, o presidente da República. Mais uma violação afrontosa. Não há mais sistema acusatório ou ordem jurídica no país, há vale-tudo!”

A mineira Barbara, do canal TeAtualizei, resumiu o absurdo: “Resumo: pegaram Lula, multicondenado, resetaram os julgamentos de seus crimes e o tornaram elegível. Agora como o impeachment do Bolsonaro não sai no congresso, CPI virou piada, o povo encheu as ruas… Restou apenas torna-lo inelegível, com Lula e ‘terceira via’ para disputar 2022”.

O empresário Otávio Fakouri questionou: “Constituição?! Ainda existe uma Constituição?” Guilherme Fiuza foi assertivo: “Barroso diz que o anseio democrático por eleições limpas é ameaça autoritária. Só dá p/ dizer isso fingindo que não viu pelo menos 3 coisas: o laudo da PF sobre as urnas inauditáveis, o país nas ruas pelo voto auditável e a sua própria Corte reabilitando eleitoralmente um ladrão”.

O secretário Nacional de Incentivo à Cultura, André Porciuncula, alertou: “Quando o Presidente da República é criminalmente perseguido, através de instrumentos jurídicos completamente contrários à ordem legal vigente, por defender o ideal da soberania popular, então já não sei mais que tipo de pensamento eu posso externar em público. E quando pessoas não sabem que tipo de pensamento podem ter em público, então só lhes restam duas escolhas: escravidão ou liberdade”.

A juíza Ludmila Lins Grilo, especialista na área, pontuou: “Repitam comigo: a Constituição não permite que juízes abram inquéritos criminais. Quem abre é a polícia ou o MP. Mais uma vez: juiz não pode abrir inquéritos criminais”. O deputado Paulo Eduardo Martins foi o mais econômico nas palavras, mas sintetizou bem a realidade: “A Lei agora é lenda”.

O Procurador de Justiça Marcelo Rocha Monteiro escreveu: “É interessante observar como, no Brasil de hoje, ofensas (algumas pesadíssimas, do tipo ‘genocida’, ‘nazista’ etc.) a determinada autoridade são consideradas como exercício do direito à livre manifestação, ao passo que críticas a outras autoridades são rotuladas (geralmente pelas próprias autoridades criticadas) de ‘ataques antidemocráticos às instituições'”.

Paulo Filippus, ex-membro do MBL que acordou para a farsa do movimento, resgatou a ameaça de Dirceu para contextualizar a decisão: “Num ato absurdo, ignorando o ordenamento jurídico brasileiro, os ministros indicados pelos corruptos petistas querem instrumentalizar a instituição do TSE/STF para tornar inelegível o PR Bolsonaro. ‘aí nós vamos tomar o poder, que é diferente de ganhar eleição’ (Zé Dirceu)”.

Paulo Briguet foi sucinto, mas direto ao ponto: “Ao investigar o Presidente da República por conta própria, sem o menor amparo da lei, a dupla Borroso-Xandão está destruindo o que resta da democracia brasileira”.

Adrilles Jorge justificou a total falta de confiança no sistema: “Imagine um juiz que torce contra um julgado. Com apoio da imprensa, deturpa os fatos do julgamento, compra os votos do júri e libera um bandido sentenciado pelo ódio que tem de um julgado. Este juiz é nossa justiça eleitoral. Se vc confia nela , boa sorte”.

Roberto Motta, fundador do Novo que despertou para a postura de cacique de João Amoedo lá atrás, demonstrou otimismo, apesar de tudo: “O Brasil já passou por altos e baixos, inúmeras vezes. Já perdi a conta de quantas vezes andamos pelo vale das sombras. A profissão dos picaretas e bandidos é criar a sensação de desespero. Não se entreguem nem se rendam. Resistam. As forças do bem estão se movimentando”. Já Amoedo aplaudiu a decisão esdrúxula: “O TSE cumpre o seu papel e não se intimida frente às ameaças e ataques de Bolsonaro”. Amoedo virou um golpista sem pudor. Qualquer um que continuar no SEU partido depois disso é cúmplice e não terá mais o respeito dos patriotas.

A jornalista Eliane Cantanhêde festejou: “Luís Roberto Barroso arrasou. Um estadista em defesa da democracia, das eleições, da humanidade e dos princípios”. O site Senso Incomum rebateu: “Se ele é estadista, ele não pode fazer parte da Suprema Corte, do contrário teremos uma ditadura”.

Diogo Mainardi, do Antagonista, celebrou a possibilidade de, no tapetão, o TSE tornar Bolsonaro inelegível, e concluiu como um confesso golpista: “O voto não salva uma democracia. O que salva uma democracia é sua capacidade de expurgar os golpistas. É preciso afastar Jair Bolsonaro do Palácio do Planalto e torná-lo inelegível”.

Para o “nobre fim” de livrar o Brasil de Bolsonaro e “salvar a democracia”, vale tudo, inclusive destruir a democracia e ignorar os votos. O jogo nunca esteve tão escancarado e não dá mais para ignorar o que se passa em nosso país. Há um golpe em curso, e ele não vem de Bolsonaro.

Tudo que ministros supremos tinham que dizer é: “vou sempre defender a Constituição, zelar pela nossa lei máxima”. O fato de que nenhum deles diz isso, mas citam ONU, OMS, “democracia”, “vidas”, “justiça racial” etc, diz tudo que você precisa saber sobre esse Supremo: defender a Carta Magna não é a prioridade. Nem de perto!

Ninguém mais pode fingir que não sabe o que está acontecendo: o STF tem trabalhado para tirar Bolsonaro e colocar Lula no poder novamente. E se isso não é golpe, não sei mais o que seria um golpe à democracia…

Fonte: Gazeta do Povo

(*) Rodrigo Constantino é Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro.