“Roupa suja se lava também através do Whatsapp”

EDITORIAL

Por Flávio Senra (*)

Nunca em toda sua história Além Paraíba viveu momentos tão escabrosos, repletos de situações nunca testemunhadas por sua população. As situações são gravíssimas, não restam dúvidas, e, na nossa modesta opinião, foram provocadas pelo gesto intempestivo, tolo e vaidoso de um prefeito que parece não estaria preparado para usar o cargo para que foi eleito, tanto que, plagiando o escritor e jornalista Lira Neto em seu livro biográfico “Getúlio – 1930/1945 – Do governo provisório à ditadura do Estado Novo” (página 381), se tornou um mestre na arte de tirar as meias sem descalçar os sapatos ao decretar a intervenção do Hospital São Salvador.

Por que o gesto foi intempestivo, tolo e vaidoso? Ora bolas, inicialmente ele foi eleito para governar as coisas municipais, ou seja, aquilo que é de responsabilidade do município e não das coisas que são particulares, como o é a instituição criada pelo médico Dr. Paulo Joaquim da Fonseca há mais de um século atrás (o HSS é uma instituição particular e não pertence à municipalidade). Daí, sem qualquer receio, afirmamos que a intervenção partiu de um gesto intempestivo, tolo e vaidoso, acreditamos de cunho político para não dizer uma grande idiotice não somente do prefeito, mas também dos assessores que o cercam.

Por falar em assessores, desde o início da intervenção são inúmeras as idiotices envolvendo assessores do prefeito que, talvez, sem ter algo de útil para fazer vivem a tecer sandices e mais sandices através das redes sociais, em especial o Whatsapp. O interventor, por exemplo, apregoou inúmeras inverdades sobre a Casa criada para salvar vidas, tentando assim fazer da instituição um palco político não somente para o prefeito, mas também para si. Por que também para si? Porque, é o que parece, deve tentar ser candidato a alguma coisa no próximo processo eleitoral municipal, em 2024, já que seu “patrão” vai ter que sair de cena (ou será do picadeiro?), caindo no ostracismo e levando consigo aqueles que o cercam. Recentemente, entre as inúmeras inverdades, o interventor afirmou que vai entregar uma nova pediatria no HSS, esquecendo de levar à população que ela está praticamente concluída graças a provedoria afastada covardemente em 07 de janeiro último.

Outras sandices foram proferidas pelo dito já mencionado, mas vamos deixá-lo a parte pela inexpressividade que acreditamos ele representar, e vamos a outra situação ocorrida dias atrás quando o prefeito, ao abordar o ex-prefeito Fernando Lúcio Ferreira Donzeles, deixou claro e latente uma ameaça no ar ao dizer que “Quem é do morro, sai do morro, mas o morro não sai dele; se minha família for envolvida, vai ter revide”. A ameaça, como salientado em reportagem veiculada no site do Jornal Além Parahyba (www.jornalalemparahyba.com.br), indicam que foram direcionadas ao ex-prefeito já mencionado, ao provedor afastado do HSS – Dr. Rafael Gracioli, e o editor do site-jornal, Flávio Senra. Vale ressaltar, a reportagem foi clara e sucinta em enumerar que o prefeito alemparaibano teria enfatizado a frase ameaçadora em razão, segundo Fernando Lúcio, porque sua mãe, Marisa de Souza, ao que parece estaria respondendo, juntamente com outras quatro/cinco pessoas, um inquérito sobre lavagem de recursos financeiros, e porque sua esposa havia sido denunciada por um servidor público municipal de tentar atendimento no Posto de Saúde da Ilha Gama Cerqueira praticando a velha prática da carteirada, também conhecida como “você sabe com quem está falando?”. O servidor público municipal denunciante acabou afastado de suas funções e está respondendo inquérito administrativo municipal.

Voltando nossa atenção ao título deste editorial – “Roupa suja se lava também através do Whatsapp”, este vem relacionado a várias situações vivenciadas em terras alemparaibanas dentro da importante ferramenta criada para que o indivíduo possa interagir mundo afora com maior rapidez e segurança, e que, infelizmente, passaram a ser usadas de formas espúrias e ignóbeis que somente são encontradas no pior bicho existente na face da terra – o ser humano.

Cercado por uma assessoria de imprensa que sempre mostrou total esperteza e um apetite avassalador em provocar desencontros entre aqueles que o cercam e vantagens somente para si, tal assessoria, no afã de mostrar serviço descobriu quais são as maiores fraquezas do atual governante – gosta de ser bajulado, é mimado e pirracento, sem contar que, na tentativa de ter os olhares da população à sua volta, decidiu transformar a instituição Hospital São Salvador num palanque eleitoral que lhe servisse e à sua família e seguidores por pelo menos umas três décadas.

O tiro acabou saindo pela culatra, inicialmente porque sua irmã, então titular da Secretaria Municipal de Saúde, não aceitou participar do jogo, o que acabou resultando no seu desligamento covarde da Pasta, isto porque ocorreu ao final de uma madrugada de domingo, via Rede Social, adivinhem por qual ferramenta? Whatsapp!!! Passados algum tempo, para surpresa de muitos, uma intervenção foi praticada através de um Decreto Municipal, isto em 07 de janeiro último, junto ao Hospital São Salvador, como dito no início desse bate-papo, uma intervenção ilegal e imoral já que o HSS é uma instituição particular e não pertence à municipalidade.

De lá para cá, inúmeras foram as vezes em que a dita assessoria de comunicação, em momentos junto com o tal interventorzinho, vem tentando bater de frente com o provedor afastado do HSS, o médico Dr. Rafael Gracioli, que decidiu revidar a apresentar provas documentais sobre situações delicadas envolvendo a municipalidade e o dito cujo. O embate tem se tornado cada vez mais forte, e como Dr. Rafael não tem sangue de barata e mostra total segurança em seus atos e palavras, suas respostas ganham a cada dia que passa um maior público aliado na Rede Social, através do Whatsapp, isto porque as emissoras de rádio existentes em Além Paraíba e a maioria dos jornais alemparaibanos, recebendo um “capilé” a título de publicidade, vem mostrando grande parcialidade em favor do atual governo municipal sem lhe abrir espaço para defesa.

Até onde tal situação irá, não sabemos! Quais os resultados, positivos ou negativos, para o povo alemparaibano, desconhecemos! De certo mesmo apenas podemos afirmar que, brevemente e plagiando o escritor e teatrólogo Willian Shakespeare, o que existe de podre no Reino da Dinamarca deverá ser exposto para toda Além Paraíba e região. Antes tarde do que nunca…

(*) Flávio Senra é o Editor do Jornal Além Parahyba desde junho de 1993.