PRÉ-CAMPANHA

Eleição: Zema se compara a Pimentel e Kalil busca expor defeitos do rival

Já a aposta do senador Carlos Viana é a vinculação com o presidente Jair Bolsonaro.

Romeu Zema, Alexandre Kalil e Carlos Viana são pré-candidatos ao governo de Minas. (Foto: Flávio Tavares/Reprodução/Fred Magno)

Embora oficialmente a campanha eleitoral só comece no dia 16 de agosto, os pré-candidatos ao governo de Minas já se movimentam para tentar conquistar os eleitores. Romeu Zema (Novo), Alexandre Kalil (PSD) e Carlos Viana (PL) têm adotado estratégias diferentes neste momento, embora utilizem viagens ao interior e as redes sociais como as principais ferramentas.

As equipes de campanha têm evitado se posicionar publicamente sobre quais serão os caminhos adotados. Zema, por exemplo, afirma que está focado em administrar o governo de Minas. Já Kalil prefere não divulgar a agenda de viagens e entrevistas porque ainda está definindo os últimos detalhes do planejamento eleitoral.

Zema tem aproveitado a vantagem de ocupar a cadeira de governador para intensificar as viagens pelo Estado e mostrar as entregas de sua administração. Desde o último dia 22 de março, ele visitou nove cidades espalhadas pelo Triângulo Mineiro, região Metropolitana de Belo Horizonte, Sul de Minas e no Vale do Jequitinhonha.

“Para quem está no exercício do mandato a lógica de pré-campanha é trabalho, trabalho e trabalho. O Governo tem muitos avanços para apresentar, seja nas contas públicas, na melhoria da educação, da segurança ou da eficiência no combate à pandemia. Levar essa informação para a rua é a única tarefa dos apoiadores da pré-campanha de reeleição do Governador”, disse o ex-secretário Mateus Simões (Novo), que atua na coordenação da campanha.

Um dos focos do governador nas viagens é ressaltar a atração de investimentos privados para Minas Gerais, o que é uma das bandeiras da administração dele e do Partido Novo. Ontem (27), por exemplo, ele participou do anúncio da instalação da fábrica da Heineken no município de Passos. No início do mês, o governador esteve em Araçuaí, onde foram inauguradas três usinas de energia fotovoltaica de uma empresa privada.

Nas redes sociais, Zema, que lidera as pesquisas eleitorais e tem o governo bem avaliado pela população, tem seguido uma regra do marketing político e ignorado Kalil e Viana. O governador tem preferido comparar a sua administração com a do ex-governador Fernando Pimentel (PT), que sequer foi para o segundo turno em 2018.

Zema atua de duas formas em relação ao petista: na primeira, ele critica o governo passado e exalta seus feitos. Entram nessas categoria as publicações em que são destacadas que os salários do funcionalismo não são mais pagos de forma parcelada e que o 13º salário é pago em dia.

Mas a gestão Pimentel é usada pelo governador também como forma de defesa. Recentemente, os professores da rede estadual entraram em greve porque, segundo eles, o governo de Minas não estava pagando o piso nacional da categoria. Na segunda-feira (25), Zema publicou uma manchete de O TEMPO de 2017, ou seja, no governo petista: “Estado não paga piso nacional, e sindicato faz oposição light”.

“Nessa época os sindicatos e deputados da turma faziam oposição light, afinal, também se beneficiavam da bagunça, né?!”, escreveu o governador. “Agora que estamos colocando Minas de novo nos trilhos, eles ressurgem para assombrar, usando a boa fé do funcionalismo público”.

Kalil quer explorar problemas do governo Zema e mostrar entregas em BH

Já o ex-prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), tem criticado de forma mais direta a administração de Zema. Ele começou a viajar e a dar entrevistas a rádios do interior ainda no final do ano passado, quando era prefeito. Agora, depois de deixar o cargo no final de março, a tendência é que ele intensifique as viagens a partir de maio. Um dos principais desafios da campanha será torná-lo conhecido fora da região Metropolitana.

A ideia da campanha de Kalil, segundo pessoas próximas a ele ouvidas por O TEMPO, é tentar mostrar para a população eventuais falhas e defeitos do governo Zema, ao mesmo tempo em que ressalta as obras e melhorias que sua administração como prefeito trouxe para Belo Horizonte desde 2017.

A princípio, a tendência é que Kalil se apresente com seu jeito espontâneo e impaciente para os eleitores do interior, a exemplo do que fez nas duas eleições para prefeito da capital. Qualquer mudança nesse assunto deve partir de ajustes feitos pelo próprio pré-candidato.

Em entrevista na semana passada a uma rádio em Pirapora, no Norte de Minas, Kalil visivelmente adotou um tom de voz mais calmo e disse que estava chegando “com humildade”. “Estou me apresentando. O Alexandre Kalil tem na cabeça que governar é cuidar das pessoas”, disse o ex-prefeito, referindo-se a si mesmo na terceira pessoa. Ao mesmo tempo, elencou obras entregues por ele, como a construção de Centros de Saúde em Belo Horizonte e a expansão do atendimento no Hospital do Barreiro.

Nas redes sociais, Kalil tem aproveitado para cutucar Zema. No feriado de Tiradentes, ele publicou um vídeo em que pede cuidado para as famílias que decidiram viajar. “Vamos pôr o cinto, vamos com cuidado. A gente sabe a situação que as estradas estão aqui em Minas Gerais”, afirmou na peça.

Em outro vídeo, em que responde de forma descontraída a perguntas e comentários de seguidores, o ex-prefeito afirma que “o que vai mudar é a vontade de fazer”, em alusão a uma eventual eleição dele para governador. Após o locutor ler um comentário que diz “Kalil na cabeça e Zema nunca mais”, Kalil responde: “Que Deus te ouça”.

Como mostrou O TEMPO ontem, a peça foi considerada propaganda fora de época pelo Partido Novo, de Zema, que entrou com uma ação na Justiça Eleitoral pedindo a retirada do ar e o pagamento de multa.

Viana aposta em Bolsonaro

O senador Carlos Viana (PL) tem como principal trunfo eleitoral a proximidade com o presidente Jair Bolsonaro (PL). Antes filiado ao MDB, o senador foi para o PL com o objetivo de ser o palanque do presidente em Minas.

Ele tem se aproveitado das agendas de Bolsonaro em Minas Gerais para “colar” o seu nome no do presidente. No dia 14 de abril, Viana publicou um vídeo em que está dentro de um avião com o presidente a caminho da cidade de João Pinheiro, no Noroeste de Minas. Na ocasião, Bolsonaro entregou de títulos regularização fundiária a assentados no município.

A cena deve se repetir no próximo sábado (30). O presidente da República confirmou a participação na ExpoZebu, na cidade de Uberaba, no Triângulo Mineiro. Viana também estará presente.

Além de estar sempre com presidente em Minas, Viana tem como candidato ao Senado na chapa o ex-ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio. Há também uma articulação para que os mesmos partidos que apoiam Bolsonaro a nível nacional passem a apoiar a candidatura do senador ao governo de Minas. É o caso do Republicanos e do PP. Há a possibilidade de que um desses partidos indique o candidato a vice na chapa do senador ao governo de Minas.

Fonte: O Tempo – Por Pedro Augusto Figueiredo