sexta-feira, maio 24, 2024
BRASIL E MUNDODESTAQUENOTÍCIAS

Israel mata terrorista do Hamas que mantinha mil pessoas como reféns em hospital de Gaza

Ahmed Siam usava moradores e pacientes do centro de saúde Rantisi como escudos humanos e os impedia de viajar para o sul.

As Forças de Defesa de Israel informaram, no último sábado (11), que mataram Ahmed Siam, terrorista do Hamas responsável por manter aproximadamente mil residentes e pacientes de Gaza como reféns no hospital Rantisi. Israel mantém uma resposta militar, iniciada em 7 de outubro, quando os terroristas do Hamas invadiram o território e mataram cerca de 1.200 pessoas.

Além disso, o extremista impedia a saída deles em direção ao sul, onde a ameaça é menor. Segundo os israelenses, Siam comandava a Companhia Naser Radwan, do Hamas, e usava civis de Gaza como escudos humanos para fins terroristas.

Os apelos à contenção de Israel em Gaza se multiplicam, no sábado (11), diante da intensificação dos combates entre seu Exército e os terroristas do Hamas em torno dos hospitais do território palestino, nos quais milhares de pessoas se refugiam dos bombardeios. Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), metade dos 36 hospitais de Gaza “não funciona mais”, na quinta semana do conflito deflagrado pelo ataque sem precedentes dos terroristas.

O hospital Al-Shifa, na cidade de Gaza, o mais importante do território, foi alvo de ataques, segundo seu diretor, Mohammed Abu Salmiya. “Al-Shifa foi alvo, durante toda a noite, de intensos disparos de artilharia, assim como outros hospitais da cidade”, declarou Salmiya no sábado, acrescentando que, por causa disso, as ambulâncias não conseguiram buscar “dezenas de mortos” “centenas de feridos”.

O Hamas afirmou que “uma pessoa morreu, e muitas outras ficaram feridas” em ataques contra este centro na manhã de sábado, depois que 13 pessoas faleceram em um bombardeio lançado contra este hospital no dia anterior, segundo o movimento.

O Exército de Israel não comentou essas acusações, mas disse que matará os combatentes do Hamas que forem vistos “atirando de hospitais”. À noite, disse ainda que eliminou “cerca de 150 terroristas”.

O Ministério israelense das Relações Exteriores revisou para baixo o balanço do ataque do Hamas em 7 de outubro, de 1.400 para 1.200 mortos, em sua maioria civis, sem dar explicações para a mudança.

Os bombardeios e a operação terrestre lançada em represália por Israel deixaram mais de 11 mil mortos na Faixa de Gaza, incluindo mais de 4.500 crianças, segundo o Ministério da Saúde do Hamas.

Fonte: Portal-Site Contra Fatos