terça-feira, junho 25, 2024
BRASIL E MUNDODESTAQUENOTÍCIAS

OPINIÃO

Intervencionismo: Os frutos que Lula quer colher na economia estão todos podres

Por Alexandre Garcia

O governo anunciou na segunda-feira (22) um plano para ajudar a indústria brasileira, com R$ 300 bilhões em financiamento e subsídios, principalmente via BNDES. Paradoxalmente, o anúncio repercutiu muito mal no mercado. A bolsa caiu, o dólar subiu, voltou a estar perto de R$ 5. Não pegou bem porque todos ficam se perguntando: e o orçamento? E as contas públicas? Protecionismo de novo? Isso é volta ao passado, coisa de governo militar, o Estado protegendo a indústria, estimulando não a produtividade, mas a ociosidade, facilitando as coisas para uma indústria que só quer que o governo não atrapalhe, não imponha empecilhos nem problemas.

A riqueza do governo é o que ela tira da nação, e a nação não dá espontaneamente. A riqueza da nação é aquela gerada quando se produz, quando se vende, quando se presta algum serviço. O Estado não: ele simplesmente arrecada, com o compromisso de prestar bons serviços de segurança, de garantir a propriedade, os direitos, de proporcionar infraestrutura mínima para a sociedade funcionar. A bolsa despencou também na semana passada e havia motivo: as ações da Vale, uma das blue chips da bolsa, caíram porque o governo quer botar Guido Mantega no Conselho de Administração.

Tudo isso vai se somando. Lula, no Recife, se justificou dizendo que não fez muita coisa no primeiro ano porque tinha de preparar o terreno para plantar, mas que agora vai colher os frutos. Um desses frutos é a Refinaria Abreu e Lima, que Lula disse que a Petrobras vai fazer sozinha. Já é um susto. Ainda temos a medida provisória que tentou revogar a desoneração da folha dos 17 setores que mais empregam – parece que ela será retirada. E agora temos esses R$ 300 bilhões, que estão indicando desequilíbrio nas contas públicas por causa do crédito subsidiado para a indústria. O CEO da Gerdau disse até que pode rever investimentos, porque o governo está desestimulando, tirando a competitividade da indústria brasileira.

Presidente paraguaio deixou Lula sem argumentos em discussão sobre Itaipu

O presidente Lula ficou chateado com o ministro da Fazenda porque não soube, na reunião com o presidente do Paraguai, Santiago Peña, oferecer dados que se contrapusessem aos dados do paraguaio – que já foi ministro da Fazenda – sobre a necessidade de aumentar o pagamento do Brasil por Itaipu, aportar mais dinheiro para o Paraguai. Nossos ministros não souberam fazer o dever de casa.

Chefão do MST promete mais invasões em 2024

João Pedro Stédile, que o presidente já levou em duas ou três viagens, está prometendo que este ano vai acirrar a “luta social”. “Luta social” é um eufemismo para invasões, tal como aconteceu sábado na Bahia no sábado, com um desfecho trágico: pataxós invadiram a fazenda, houve reação dos fazendeiros, uma índia foi morta e um cacique foi baleado nesse país que precisa de liberdade de expressão, segurança pública e respeito à propriedade. Do outro lado da fronteira, na Argentina, o presidente Javier Milei anunciou que este ano será o ano da liberdade, da segurança pública e da propriedade.

Fonte: Gazeta do Povo