sexta-feira, junho 21, 2024
DESTAQUEVultos

HONÓRIO HERMETO CARNEIRO LEÃO – MARQUÊS DO PARANÁ

Já de bom tempo para cá esta coluna não recebe material, ou seja algum nome que fez história na história de nossa Além Paraíba. Daí, dando sequência a este trabalho que foi desenvolvido por anos a fio no Jornal Além Parahyba, voltamos até a nossa edição nº 310 que circulou entre os dias 26 de janeiro e 1º de fevereiro de 2005, levando até nossos leitores um pouco da vida de Honório Hermeto Carneiro Leão – Marquês do Paraná, uma das grandes personalidades do Brasil Imperial que construiu uma das mais belas sedes de fazendas de todo o Vale do Paraíba, a Fazenda do Lordello, fincada no distrito sapucaiense de Jamapará, bem defronte a sede de nossa Além Paraíba. Honório Hermeto foi o grande responsável pela construção da Ponte Armando Godoy, que liga Além Paraíba a Jamapará. Vamos até ele…

Nascido na Vila do Paracatu do Príncipe, em Jacuí, Minas Gerais, em 1801, Honório Hermeto Carneiro Leão era filho do militar Nicolau Antônio Carneiro e de Joana Severina Augusta. De origem modesta, educou-se com a ajuda de parentes que, com muito custo, conseguiram mandá-lo para Portugal.

Em 1825, diplomado em Coimbra, embarcou de volta para o Brasil, casando-se no ano seguinte. A esposa era uma prima, Maria Henriqueta, e o casamento – segundo o costume da época – havia sido arranjado pela família. Mas é a partir desse casamento que a vida de Honório Hermeto começou a mudar de rumo.

Maria Henriqueta deu ao primo e marido quatro filhos – Honório Hermeto Carneiro Leão Filho, Henrique Hermeto, Maria Emília e Maria Henriqueta. Seu pai, tio de Honório – João Netto Carneiro Leme – era o “parente rico”, que era um antigo proprietário de uma empresa de beneficiar arroz, no Rio de Janeiro, que passou depois para um negócio mais lucrativo na época: comprava escravos negros nos cais de Valongo e ia revendê-los a preços bem mais altos pelo interior das províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Com isso, logo ampliou a fortuna e, por ocasião do casamento da filha, era um homem riquíssimo.

No mesmo ano do seu casamento, Honório Hermeto foi nomeado Juiz de Direito em São Sebastião, no litoral paulista. Embora contrariado por ficar longe da Corte, seguiu para o posto, levando consigo a esposa e presentes do sogro: oito escravos, rica mobília e uma baixela de prata.

De gênio violento, logo se indispôs com uma autoridade militar de São Sebastião. Dois anos depois, em 1828, foi nomeado Ouvidor e, em 1829, promovido a Desembargador da Relação na Bahia (com exercício do cargo no Rio de Janeiro), ocupando, ao mesmo tempo, o cargo de Auditor Geral da Marinha.

Seu prestígio na Corte era muito alto. Pertenceu a diversos gabinetes do Governo, foi deputado provincial, senador e ministro do Império, no Segundo Reinado, presidente da província de Pernambuco, tendo sido o contratador do casamento do imperador D. Pedro II com a princesa Teresa Cristina, do Reino das Duas Sicílias.

Honório Hermeto, que desde 1836 era fazendeiro de café no Vale do Paraíba e foi o primeiro proprietário da Fazenda do Lordello (conhecida em Além Paraíba como Fazenda do Barão, em Jamapará, hoje pertencente aos filhos do pecuarista Marco França, um belo patrimônio histórico de nossa região, única fazenda em estilo Mourisco no Brasil), foi grande responsável por uma política de favorecimento da agricultura, principalmente através da abertura e do melhoramento de estradas pelo interior. Através de seu prestígio, foi construída a ponte que liga Jamapará a Porto Novo (Ponte Armando Godoy), o que facilitou o escoamento da produção de café de Duas Barras, Sumidouro, Carmo e da própria Fazenda do Lordello, para a Estação de Porto Novo, que era feita através de barcos.

Em 1852, recebeu o título de Visconde do Paraná e, em 1854, o de Marquês do Paraná. Honório Hermeto faleceu em 03 de fevereiro de 1856, no Rio de Janeiro, e sua esposa, a Marquesa do Paraná, Dama Honorária de S. M. Imperatriz, foi quem terminou a construção da ponte que liga Jamapará a Porto Novo. A Marquesa do Paraná faleceu em 1872.

Em 1875, o governador da Província de Minas Gerais indenizou a Província do Rio de Janeiro, passando a referida ponte a pertencer à Província Mineira.

Henrique Hermeto Carneiro Leão, filho do Marquês do Paraná, era titular do Império com o título de Barão do Paraná. Herdou a Fazenda do Lordello, era médico e foi um grande colaborador e parceiro do médico Dr. Paulo Joaquim Fonseca na construção do Hospital São Salvador.

Texto de Mauro Senra – Edição nº 310 do Jornal Além Parahyba / Fonte: Grandes Personagens de Nossa História – Editora Abril