quarta-feira, julho 17, 2024
BRASIL E MUNDODESTAQUENOTÍCIAS

OPINIÃO

Popularidade: Lula só atrai público com “incentivos”, ao contrário de Bolsonaro

Por Alexandre Garcia (*)

Quarta-feira foi mais um dia emocionante. No dia anterior, Lula tinha estado em Belford Roxo e vazou aquela convocação dizendo que o ponto facultativo era para festejar Lula, que teria almoço, ônibus, faixa, camisa, tudo para ter aplauso a Lula. Na quarta ele foi para o Complexo do Alemão para inaugurar um câmpus, reclamou do seu destacamento precursor, que não preparou um evento maior, e se queixou da falta de público.

No mesmo dia, em São Sebastião, no litoral norte de São Paulo, milhares de pessoas foram para o centro histórico receber Jair Bolsonaro, que ia depor no caso da baleia. A Polícia Federal mudou o depoimento, mas ele foi da mesma forma. Ele tinha sido convocado para depor às 15 horas do dia 7. Pois às 15 horas do dia 7 Bolsonaro foi lá se encontrar com o seu povo, sem ônibus de graça, sem almoço de graça, sem faixa de graça, sem ponto facultativo, e a praça ficou lotada.

Indignação contra absurdos de Toffoli só cresce

Dias Toffoli está recebendo uma oposição forte por suspender as multas da Odebrecht e da J&F, que somam R$ 18 bilhões. A mulher dele é advogada da J&F; dizem que é ele o “amigo do amigo do meu pai” da planilha da Odebrecht; e ele era advogado do PT. Agora a própria Advocacia-Geral da União, ou seja, em defesa do governo, está protestando, dizendo que não pode suspender a multa porque há valores a serem pagos para a Controladoria-Geral da União. Enquanto isso, o procurador-geral da República está pedindo até para que o caso passe para outro ministro, deixando implícito que Toffoli não pode julgar. O Estadão publicou um editorial feroz, e como o caso envolveu a Transparência Internacional, que tem sede em Berlim, isso virou notícia internacional.

Detalhes da morte de Piñera mostram o caráter de ex-presidente chileno

Lamentei muito a morte de Sebastián Piñera, um grande presidente que governou o Chile duas vezes, e agora estou ouvindo detalhes que mostram o caráter desse homem. Agora se sabe, pelo testemunho dos que estavam com ele no helicóptero e se salvaram, que a aeronave estava na água de uma forma que, se ele saísse, o helicóptero ficaria desequilibrado e cairia sobre os passageiros que já tinham saído e estavam nadando. “Saiam vocês que eu vou ficar aqui segurando”, disse. Então, o helicóptero afundou 40 metros e ele morreu afogado para salvar as outras pessoas que estavam com ele.

Urbanização desenfreada ajuda a dengue a se espalhar

Estão todos falando da dengue, principalmente aqui na capital federal. Já são mais de 30 mil casos confirmados e quase 18 mil suspeitas. Um amigo me lembrou do óbvio: onde tem sapo, não tem mosquito; onde tem sapo, não tem dengue. Eliminaram os sapos com a urbanização, e chegou a dengue.

Droga mata mais que arma, mas adivinhem o que querem proibir e o que querem liberar?

Roberto Motta botou no X dados de homicídios nos Estados Unidos: em 2021, houve 48.830 homicídios com arma de fogo, mas houve 106.690 mortes por overdose de droga. Ou seja, a droga é duas vezes mais perigosa que a arma de fogo. E ainda assim há quem ache que tem de liberar maconha, que não pode prender o traficante pequeno, que é contra a polícia que quer pegar os traficantes, ou seja, os fornecedores. Aliás, todas as armas do tráfico são compradas com o dinheiro dos que compram droga. É assim que funciona.

Histórico de vice-presidentes na China não tem coisa boa

Por fim, um registro histórico: parece que o vice-presidente Geraldo Alckmin vai à China em junho. Não há como não lembrar, eu vivi isso: João Goulart, vice de Jânio Quadros, estava na China quando Jânio renunciou, em agosto de 1961, e houve o maior problema depois disso. O vice quase não assumiu; acabou assumindo, mas veio uma crise atrás da outra. Vice na China me dá urticária histórica.

Fonte: Gazeta do Povo