sexta-feira, junho 21, 2024
BRASIL E MUNDODESTAQUENOTÍCIAS

BOICOTE A ISRAEL

Justiça manda tirar do ar vídeo em que Genoino sugere boicote a empresas de judeus

O desembargador Carlos Eduardo da Fonseca Passos, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), deu um prazo de 48 horas para que o Google retire do ar do Youtube um trecho do vídeo em que o petista José Genoino sugere o boicote a empresas de judeus. A declaração foi dada durante uma entrevista a um programa na internet em janeiro, em que comentava sobre o conflito entre Israel e o Hamas.

Passos ainda instituiu uma multa de R$ 100 mil caso a determinação não seja cumprida. A decisão do desembargador foi tomada em resposta a um pedido da Federação Israelita do Estado do Rio de Janeiro.

Genoino afirmou no vídeo que “essa ideia do boicote por motivos políticos que ferem interesses econômicos é uma forma interessante. Inclusive, tem esse boicote em relação a determinadas empresas de judeus”.

“Há, por exemplo, boicotes a empresas vinculadas ao Estado de Israel. Inclusive, acho que o Brasil deveria cortar relações comerciais na área de segurança e defesa com o estado de Israel”, afirmou o aliado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O magistrado considerou que a “manutenção da declaração em plataforma gratuita de vídeo online é suscetível de gerar dano grave irreparável, dado o acesso livre e continuado por quantidade indeterminada de usuários a conteúdo ofensivo e discriminatório”.

Na época das declarações, até mesmo a cúpula do PT repreendeu Genoino, considerando um “erro” ter abordado um tema tão delicado. Além do próprio partido, entidades ligadas à comunidade judaica no Brasil também saíram em protesto contra a fala.

A Confederação Israelita do Brasil (Conib) classificou a fala como antissemita, lembrando que “o antissemitismo é crime no Brasil”. “O boicote a judeus foi uma das primeiras medidas adotadas pelo regime nazista contra a comunidade judaica alemã, que culminou no Holocausto”, afirmou.

A Federação Israelita do Estado de São Paulo (Fisesp) também emitiu uma nota manifestando repúdio à declaração de Genoino. “Ao evidenciar a origem judaica de empresas e pedir seu boicote, Genoíno revela a sua covardia e o seu viés antissemita”, disse a entidade.

A Câmara Brasil Israel de Comércio e Indústria também classificou a fala como antissemita e disse que ela “deve ser repudiada por todos”. “A fala de Genoíno sem conhecimento dos benefícios desta relação comercial, é também contrária aos interesses do Brasil e da população brasileira. Trata-se de dois países democráticos, independentes, com benefícios comerciais recíprocos”, afirmou nota divulgada pelo órgão.

Fonte: Gazeta do Povo – Por Guilherme Grandi