sexta-feira, junho 21, 2024
DESTAQUENOTÍCIASREGIÃO

Agentes de segurança e empresários são investigados por relação com jogo do bicho

Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado atuou na Zona da Mata ontem, quarta-feira (10).

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) deflagrou duas operações contra o jogo do bicho na Zona da Mata ontem, quarta-feira (10). A primeira, chamada “Jogo duplo” teve como alvo agentes públicos da área de segurança – suspeitos de participação em organização criminosa, lavagem de dinheiro e corrupção. Outra ação em curso levou o nome de “Deu zebra” e o foco foram empresários investigados pelos mesmos crimes. 

A suspeita é que os alvos estejam ligados a diversas infrações vinculadas ao jogo do bicho na região. Segundo o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), mandados de busca e apreensão foram realizados nas residências e nos locais de trabalho dos agentes e empresários – sendo que 16 mandados de busca e apreensão foram cumpridos.

Com prisões em flagrante, as operações tiveram como resultado, também, apreensão de dinheiro, armas e munições. Com a manobra, a instituição acenou para a possibilidade de novos desdobramentos ao longo desta quinta-feira. Não foram citados pelo MPMG, entretanto, todos os municípios que estão sendo foco da operação, contudo, a cidade de Viçosa foi mencionada como um dos alvos dos mandados.

Articulação contra o jogo do bicho

Participaram da operação cinco promotores de justiça, seis delegados, 50 policiais de tropas especializadas da Polícia Civil, 20 policiais do Departamento Estadual de Operações Policiais (Deoesp) e oito agentes do Departamento Estadual de Combate à Corrupção e a Fraudes (Deccof). Também estiveram em ação 12 policiais civis do 1º Departamento de Polícia Civil da Capital, dois delegados de polícia de Viçosa, seis policiais militares do GCOC 4R, nove militares do Grupo Especializado em Recobrimento (GER), cinco policiais militares da Corregedoria da Polícia Militar, seis policiais militares da 10 ª CIA Independente de Viçosa e dois policiais militares de Ubá.

Fonte: Tribuna de Minas – Por Pâmela Costa