sexta-feira, junho 21, 2024
BRASIL E MUNDODESTAQUENOTÍCIAS

Elon Musk pede renúncia ou impeachment de Alexandre de Moraes no X

Bilionário disse que iria desbloquear perfis e chegou a ameaçar fechar o escritório da empresa no Brasil

O bilionário Elon Musk, dono da rede social X, fez um post neste domingo (7) dizendo que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes deve renunciar ao cargo ou sofrer impeachment. “Em breve, X vai publicar tudo o que foi exigido por @Alexandre e como essas exigências violam a lei brasileira. Este juiz tem aberta e repetidamente traído a Constituição e o povo do Brasil”, escreveu na postagem, que termina com: “Vergonha, Alexandre, vergonha”. 

Desde sábado (6), Musk tem atacado Alexandre de Moraes no X, acusando o ministro do STF de cometer censura nas redes sociais. Tudo começou com um comentário feito em uma postagem na conta oficial de Moraes na plataforma. Musk questionou por que “tanta censura no Brasil”. O comentário teve apoio de políticos bolsonaristas.

Na sequência, Musk repostou uma série de vídeos do jornalista estadunidense Michael Shellenberger. No texto que acompanha um dos vídeos, o jornalista afirma que: “Às 18h52, horário do Sao Paulo a corporação X, anteriormente conhecida como Twitter, anunciou que um tribunal brasileiro a forçou a ‘bloquear certas contas populares no Brasil’. Menos de uma hora depois, o proprietário do X, Elon Musk, anunciou que o X desafiaria a ordem do tribunal e suspenderia todas as restrições”. Shellenberger arrematou: “A qualquer momento, o Supremo Tribunal Federal poderá bloquear todo o acesso ao X/Twitter para o povo brasileiro”.

Alexandre de Moraes é relator no STF de inquéritos que investigam a disseminação de notícias falsas em redes sociais, especialmente sobre a lisura das urnas eletrônicas. Nesse contexto, ele é autor de despachos que suspenderam perfis envolvidos em espalhar desinformação sobre o processo eleitoral brasileiro.

O ministro não se manifestou sobre os ataques de Musk. Até a tarde deste domingo, a rede social X seguia operando normalmente no Brasil.

FONTE: https://www.brasildefato.com.br