segunda-feira, abril 15, 2024
DESTAQUENOTÍCIASREGIÃO

Tarcísio Delgado, um dos mais renomados homens públicos da Zona da Mata, retorna ao MDB após 12 anos

Ex-prefeito havia deixado o partido para apoiar Margarida Salomão (PT) nas eleições de 2012.

O ex-prefeito Tarcísio Delgado, que liderou o Executivo de Juiz de Fora por três mandatos – 1983 a 1988, 1997 a 2000 e 2001 a 2004 -, filiou-se novamente ao MDB na manhã de ontem, terça-feira (2). O também ex-vereador, deputado estadual e federal deixou o partido, pelo qual se elegeu em todas as vezes, após 46 anos de filiação em 2012.

À época, a motivação foi a vontade de demonstrar apoio à então candidata à Prefeitura, Margarida Salomão (PT), em vez do candidato escolhido pelo próprio partido, Bruno Siqueira, que acabou vencendo o pleito.

Agora, Tarcísio Delgado retorna para apoiar um adversário da atual prefeita Margarida: o filho, Júlio Delgado (MDB), que lançou sua pré-candidatura a chefe do Executivo no mesmo evento em que foi anunciada a filiação de Tarcísio. Mais de 200 pessoas compareceram à sede do partido ontem, incluindo prefeitos e candidatos de cidades do entorno, além de vereadores de Juiz de Fora recém-filiados.

“O que mais o motivou como pai, como família que ele é, foi ajudar o Júlio. O Júlio mesmo falou isso no evento. É um sentimento paterno. Não se pode querer colocar o sentimento político acima de tudo e de todos. O Júlio, agora, assumiu o seu partido de origem. Isso facilitou para que a gente tivesse a honra de ter o Tarcísio de novo no nosso partido, que é dele”, declarou o presidente do diretório municipal e ex-vice prefeito de Tarcísio, João César Novais, destacando a unanimidade na aprovação do refiliado como presidente de honra em Juiz de Fora.

O presidente estadual do MDB, deputado federal Newton Cardoso Júnior, também compôs a mesa. Já o presidente nacional, que deputado federal por São Paulo, Baleia Rossi, enviou um vídeo, reproduzido na cerimônia, falando sobre a história de Tarcísio e o prazer em tê-lo no partido.

Fonte: Tribuna de Minas – Por Hugo Netto