Estado de Minas apura mais um caso de reinfecção da Covid-19 na Zona da Mata e total vai a 13

No Campo das Vertentes, não há nenhuma notificação em averiguação. Além disso, outros 10 exames deram inconclusivos nas duas regiões. Veja mais informações.

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) divulgou que mais um caso de reinfecção é investigado na Zona da Mata. A notificação ocorreu em Ubá e, ao todo, são 13 na região. A informação consta no novo boletim epidemiológico que analisa a semana 15, que representa o período entre os dias 12 ed 18 de abril.

Já no Campo das Vertentes, não há nenhum caso em apuração. Além disso, outros 10 exames deram inconclusivos nos municípios das duas regiões. Veja mais abaixo o que se sabe sobre reinfecção pelo coronavírus.

Confira abaixo a tabela completa com informações na Zona da Mata e Vertentes:

Casos de reinfecção nas regiões

MunicípiosEm investigaçãoInconclusivo
Barbacena2
Cipotânea1
Chácara2
Goianá11
Juiz de Fora1
Rio Preto1
Santana do Deserto1
Além Paraíba1
Cataguases2
Leopoldina3
Viçosa1
Muriaé2
Ubá22
Total1310

Fonte: SES-MG

Estado

De acordo com a SES-MG, já foram 286 casos notificados de reinfecção desde o início da pandemia em Minas Gerais, sendo que dois já foram descartados, um confirmado em Sabará e 143 foram considerados inconclusivos “devido à falta de dados que permitissem a investigação”. Os outros 140 são os que seguem em apuração.

Como os casos são investigados em MG?

As investigações de reinfecção são realizadas por meio do Centro de Informações Estratégicas e Resposta em Vigilância em Saúde (CIEVS Minas) em parceria com a Fundação Ezequiel Dias (Funed) e regionais de saúde.

Pelo protocolo, a SES-MG considera casos suspeitos de reinfecção aqueles em que a pessoa apresentou novo quadro clínico em período acima de 90 dias do primeiro episódio confirmado laboratorialmente.

Reinfecção por coronavírus: veja o que se sabe sobre pacientes contaminados pela 2ª vez

Abaixo, em tópicos, o G1 reúne o que as pesquisas e as diretrizes mais recentes dos órgãos de saúde apontam sobre o tema.

O que é a reinfecção?

O que é preciso para atestar um caso de reinfecção?

A reinfecção é comum apenas para o Sars-Cov-2?

Dois testes positivos são suficientes para atestar a reinfecção?

Quais os casos de reinfecção confirmados pelo mundo?

Há casos de reinfecção confirmados no Brasil?

1 – O que é a reinfecção?

A reinfecção acontece quando a pessoa se recupera da Covid-19 e tempos depois ela adoece novamente. Para confirmar a recontaminação, é preciso provar que o código genético do primeiro vírus é diferente do segundo. O código genético é como se fosse uma impressão digital do vírus.

2 – O que define um caso de reinfecção?

No fim de outubro, o Ministério da Saúde divulgou uma nota técnica com regras para a definição de casos suspeitos de reinfecção. Para que isso seja caracterizado, o indivíduo precisará de dois resultados positivos de RT-PCR, com intervalo igual ou superior a 90 dias entre os dois episódios, independentemente da condição clínica. O outro ponto é a conservação adequada das amostras.

3 – A reinfecção é comum apenas para o Sars-Cov-2?

Denise Garrett diz que os casos de reinfecção já eram conhecidos entre pacientes infectados por outros coronavírus comuns. Vírus que causam infecções das vias respiratórias, como a Covid-19, podem ocorrer duas ou mais vezes.

4 – Dois testes positivos são suficientes para atestar a reinfecção?

A imunologista e professora da Faculdade de Medicina e do Instituto de Medicina Tropical da USP, Ester Sabino, explica que o teste RT-PCR (teste que coleta o material da garganta e do nariz do paciente com um cotonete) positivo duas vezes não indica a reinfecção.

“Nós sabemos que reinfecção acontece, mas a ciência não conseguiu definir com qual frequência ela acontece. Os estudos usam métodos complexos para comprovar a reinfecção. É preciso sequenciar os vírus e eles precisam ser de cepas diferentes” – Ester Sabino, imunologista

Quais os casos de reinfecção confirmados pelo mundo?

Confirmar reinfecções acaba sendo difícil porque, na maioria das vezes, os cientistas não sabem o código genético do vírus que contaminou a pessoa pela primeira vez, para, então, compará-lo com o código do segundo vírus.

Há casos de reinfecção confirmados no Brasil?

“Para provar a reinfecção precisamos sequenciar o genoma do vírus. Esse teste é complicado, especializado. Por isso, é raro conseguir provar que é uma reinfecção”, explica Garrett.

“É difícil separar os casos de pessoas que ficam com o PCR positivo prolongado, de pessoas que ficaram com o vírus e ele reapareceu, ou se realmente a pessoa pegou de novo”, completa Sabino.

Fonte: G1 – Zona da Mata