Detento morre enforcado dentro de presídio em Viçosa

Ele estava preso acusado de matar o enteado de 1 ano, em janeiro de 2020.

Um detento do Presídio de Viçosa foi encontrado morto dentro de uma cela da instituição, localizada no Bairro Sagrada Família, na tarde de segunda-feira, 21 de junho. Segundo informações da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), o jovem, de 24 anos, foi encontrado pelos policiais penais enforcado na grade do banheiro da cela, com um lençol envolto no pescoço.

O detento estava preso suspeito da morte do enteado dele, de 1 ano, em janeiro de 2020. A mãe do bebê também está presa. Ainda conforme a Sejusp, a Polícia Civil foi acionada e os peritos confirmaram o óbito. Em nota enviada ao Site G1 na manhã desta quarta-feira (23), a “direção da unidade prisional registrou a ocorrência e instaurou um procedimento interno para apurar administrativamente o ocorrido. As investigações criminais são de responsabilidade da Polícia Civil”.

A reportagem entrou em contato com a Polícia Civil que informou que concluiu inquérito policial à época dos fatos e o procedimento foi remetido à Justiça, com indiciamento dos suspeitos. E também entrou em contato ainda com o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) para saber se ele já havia sido condenado, mas até a publicação desta matéria não obteve retorno.

Relembre o caso

No dia 21 de janeiro de 2020, um bebê de 1 ano deu entrada no Hospital São Vicente de Paula, em Ubá, com hematomas e escoriações por todo o corpo e a cabeça. O padrasto e a mãe do bebê foram presos por suspeita de homicídio. A vítima foi levada pela mãe, de 23 anos (na época do registro da ocorrência), e pelo padrasto, de 22 (na época do registro da ocorrência) até o local.

Segundo o Boletim de Ocorrência (BO), o padrasto relatou aos policiais que a companheira, mãe da criança, havia saído da casa por volta de 7h30min para buscar leite e teria deixado o bebê com ele. Em um certo momento, o jovem precisou atender alguém que o chamava fora da casa e, ao retornar para dentro da residência, percebeu que o bebê estava roncando muito e aparentava estar sem ar.

No depoimento, ele afirmou ainda que realizou massagem cardíaca e fez respiração boca a boca, no entanto o bebê retornou a consciência cerca de três vezes e depois não apresentou mais sinais de vida. O padrasto disse aos militares que deixou o bebê no sofá, saiu e foi até um local próximo da casa para tentar ligar para a companheira e não conseguiu. Ao retornar para residência, percebeu que a criança não estava mais respirando, ele terminou de vestir a roupa no bebê, o deixou no sofá e saiu de bicicleta para procurar a companheira. Ao encontrá-la, informou que a criança estava passando mal e os dois retornaram pra casa, pegaram o bebê e levaram para o hospital com ajuda de vizinhos.

O médico de plantão que atendeu o bebê afirmou à PM que ele já chegou sem vida no local. O corpo foi levado para o Instituto Médico Legal (IML), onde o laudo apontou que a vítima apresentava hemorragia intratorácica com fraturas na costela direita, grande hemorragia intra abdominal, além de várias fraturas na calota craniana, diagnóstico confirmado posteriormente pelo médico legista que examinou o corpo.

Fonte e foto: G1 Zona da Mata