MATANDO A COBRA E MOSTRANDO O PAU, OU

Outdoor Bolsonaro: mostrando a verdade para a professora (sic) e apresentando aqueles que ameaçaram pichar o outdoor

Editorial

Por Flávio Senra (*)

Semana passada (sexta-feira / 09), o site do ALÉM PARAHYBA, que em setembro deste 2021 entrará no seu 99º ano de existência, foi atacado por uma professora pseuda líder política petista, sobre o teor da reportagem “Outdoor de apoio ao presidente Bolsonaro em Além Paraíba gera protestos em rede social e ameaça de pichação”.

Disse a professora (sic), que ao que parece não leu direito a reportagem, ou então não sabe ler, que o jornal fizera uma acusação mentirosa ao afirmar que o outdoor gerou uma série de protestos com “algumas ameaças de pichação”, entre estas as frase “A tinta tá aqui” e “Bora destruir”, e que entre os manifestantes estava a candidata derrotada a vice-prefeita do Partido dos Trabalhadores no processo eleitoral do ano passado, entre outros que manifestaram apoio ao ato anti-democrático contra direito democrático de um grupo contrário.

Vale ressaltar, a dita cuja ainda vociferou, entrando a seara particular do editor deste veículo de comunicação que está à frente do mesmo desde 1993 sem receber qualquer benefício da classe política alemparaibana, o que é uma forma de não ter rabo preso com A ou B, de que sua filha, formada em duas matrículas de curso superior, uma delas em Jornalismo e com o título de Mestra em Literatura da Língua Portuguesa, atualmente residindo em Portugal, certamente estaria “passando mal numa hora dessas”. Ao tomar conhecimento do fato e da citação de seu nome, a filha do editor deixou claro que, como profissional da área do Jornalismo nada enxergara de errado na reportagem, valendo ressaltar verificando as provas da ameaças de pichação constatou que as mesmas foram proferidas (vide as mesmas ao final deste editorial).

Outra citação da figura, a quem esse editor trocou as fraldas quando era uma bebê e estava cagada ou mijada, numa ofensa das mais duras enfatizou que, infelizmente, este seria sobrinho de sua mãe, uma forma de total desrespeito a quem sempre teve carinho por uma mulher que o viu nascer e crescer, quando esta saiu da roça e foi residir na casa de seu cunhado para estudar e se formar como professora na Escola Normal dos Santos Anjos. Este cunhado, já falecido, era o pai deste editor e sempre tratou a mãe da dita cuja como se fosse uma filha mais velha, e nunca em momento algum deixou de tratá-la como tal.

Às vociferações da figura, este editor decidiu passar uma borracha nas de ordem pessoal, entre estas a relacionada à sua filha que, como citado anteriormente, já foi informada do fato, leu a reportagem e viu as provas de que as ameaças de pichação realmente existiram. Entretanto, solicitou retratação pública na Rede Social onde acusou a reportagem do ALÉM PARAHYBA de ser mentirosa, o que até o momento não aconteceu. Diante disso, resta ao veículo de comunicação mostrar os nomes dos que apoiaram e dos que protestaram o outdoor, inclusive daqueles que fizeram ameaças de pichação e aqueles que os incentivaram até mesmo a pichar a manifestação democrática de dar apoio à quem conquistou nas urnas a cadeira da Presidência da República, como o fez a candidata a vice-prefeita do PT derrotada nas eleições de 2020.

Finalizando, deixamos alguns recados que certamente serão ironizados pela professora-petista, isso para não usar o nome PETRALHA: 1º) Já que afirmaste que a reportagem do ALÉM PARAHYBA fez uma acusação mentirosa e que isto é crime, estamos aguardando o processo criminal movido pela senhora ou pela legenda partidária da qual és filiada; 2º) Já fizemos contato com nosso advogado no sentido de estudar a possibilidade, o que ele enxerga como de excelência, de mover uma ação de calúnia e difamação contra vós uma vez que não vimos até o momento uma retratação de sua parte; 3º Abaixo, estamos mostrando tudo o que foi dito em facebook onde comprovamos que existiram as ameaças, ou seriam bazófias, de pichação ao outdoor, com os respectivos nomes de seus autores, inclusive com um “Uhuu”, o que demonstra apoio e alegria, da citada candidata derrotada a vice-prefeita do PT, partido que abriga e quer que um condenado pela Justiça por desvio de dinheiro público seja candidato à Presidência da República.

(*) Flávio Senra é editor-diretor do ALÉM PARAHYBA desde junho de 1993.