OMS teme por 700 mil mortes adicionais por Covid-19 na Europa até março

Com isso, número total de óbitos por Covid-19 chegaria a 2,2 milhões na região.

A Covid-19 provocou 1,5 milhão de mortes até o momento na Europa | Foto: BARBARA GINDL / APA / AFP

A Organização Mundial da Saúde (OMS) teme que o avanço da pandemia de coronavírus na Europa provoque 700 mil mortes adicionais até março, caso a tendência atual persista. Com isso, número total de óbitos por Covid-19 chegaria a 2,2 milhões na região.

Em um comunicado, a OMS informou que “se espera” uma alta, ou extrema, pressão sobre as unidades de terapia intensiva (UTI) “em 49 dos 53 países que integram a região, de agora até 1º de março de 2022″ e que “as mortes acumuladas contabilizadas devem superar 2,2 milhões até a primavera” (hemisfério norte, outono no Brasil).

A Covid-19 provocou 1,5 milhão de mortes até o momento na Europa. Para a OMS, o aumento de casos se explica pela combinação de três fatores: virulência da variante delta, altamente contagiosa; vacinação insuficiente; e flexibilização das restrições sanitárias.

Segundo dados oficiais, as mortes ligadas ao coronavírus dobraram desde o final de setembro, passando de 2.100 por dia para cerca de 4.200, em média, na Europa.

“A situação na Europa e na Ásia Central é muito séria. Enfrentamos um inverno cheio de desafios”, afirmou o diretor da OMS para a Europa, Hans Kluge, pedindo que, à vacinação, sejam somadas medidas de prevenção, como o uso de máscara, higiene e distanciamento físico.

Segundo a OMS, o uso da máscara reduz em 53% a incidência da doença. Se seu uso for generalizado, mais de 160 mil mortes poderão ser evitadas até 1º de março, afirma a organização, que também recomenda uma dose de reforço da vacina anticovid-19 para aumentar sua eficácia.

Diretora-Adjunta da OMS diz que mundo está entrando em quarta onda de Covid-19

Diretora-Adjunta da OMS avaliou que os novos picos na Europa se devem à abertura e flexibilização das medidas de distanciamento no verão | Foto: Georg Hometuch / APA / AFP / CP

O mundo está entrando em uma quarta onda da pandemia do novo coronavírus. A avaliação é da diretora-geral adjunta de acesso a medicamentos e produtos farmacêuticos da Organização Mundial da Saúde (OMS), a brasileira Mariângela Simão. Ela abordou a situação da pandemia em conferência na abertura no Congresso Brasileiro de Epidemiologia.

“Estamos vendo a ressurgência de casos de Covid-19 na Europa. Tivemos nas últimas 24 horas mais de 440 mil novos casos confirmados. E isso que há subnotificação em vários continentes. O mundo está entrando em uma quarta onda, mas as regiões têm tido um comportamento diferente em relação à pandemia”, declarou Mariângela Simão.

Segundo ela, o vírus continua evoluindo com variantes mais transmissíveis. Mas em razão da vacinação houve uma dissociação entre casos e mortes, pelo fato da vacinação ter reduzido os óbitos decorrentes da Covid-19. Ela lembrou que a imunização reduz as hospitalizações mas não interrompe a transmissão.

A diretora avaliou que os novos picos na Europa se devem à abertura e flexibilização das medidas de distanciamento no verão, além do uso inconsistente de medidas de prevenção em países e regiões.

“O aumento da cobertura vacinal não influencia na higiene pessoal, mas tem associação com diminuição do uso de máscaras e distanciamento social. Além disso, há desinformação, mensagens contraditórias que são responsáveis por matar pessoas”, pontuou a diretora-geral adjunta da OMS.

Um problema grave, acrescentou, é a desigualdade no acesso às vacinas no mundo. “Foram aplicadas mais de 7,5 bilhões de doses. Em países de baixa renda, há menos de 5% das pessoas com pelo menos uma dose. Um dos fatores foi o fato de os produtores terem feito acordos bilaterais com países de alta renda e não estarem privilegiando vacinas para países de baixa renda”, analisou.

Outro obstáculo é a concentração em poucos países que dominam tecnologias utilizadas para a produção de vacinas, como o emprego do RNA mensageiro, como no caso do imunizante da Pfizer-BioNTech.

Mariângela Simão considera que o futuro da pandemia depende de uma série de fatores. O primeiro é a imunidade populacional, resultante da vacinação e da imunização natural. O segundo é o acesso a medicamentos. O terceiro é como irão se comportar as variantes de preocupação e do quão transmissíveis elas serão.

O quarto é a adoção de medidas sociais de saúde pública e a aderência da população a essas políticas. “Onde medidas de saúde pública são usadas de forma inconsistente os surtos continuarão a ocorrer em populações suscetíveis”, projetou.

A diretora da OMS defendeu que além das medidas de prevenção é preciso assegurar a equidade no acesso a vacinas, terapias e testagens. “É vacinas, mas não somente vacinas”, resumiu.

Américas e Brasil

Ao avaliar a situação das Américas e do Brasil, Mariângela Simão afirmou que as Américas vêm tendo um comportamento de transmissão comunitária continuada, com ondas repetidas.

Quanto ao Brasil, ela avaliou que o programa de vacinação está andando bem. Mas, a partir da situação na Europa, se mostrou receosa com o futuro da pandemia no Brasil pelas discussões em curso sobre o carnaval.

“Me preocupa quando vejo no Brasil a discussão sobre o Carnaval. É uma condição extremamente propícia para aumento da transmissão comunitária. Precisamos planejar as ações para 2022”, alertou.

Congresso

O Congresso Brasileiro de Epidemiologia teve início na última segunda-feira (22) e irá até a sexta-feira (26). O evento é uma promoção da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e contará com diversas palestras, debates e apresentações de trabalhos científicos.

Fontes: Correio do Povo e Agência Brasil