Além Paraíba, Covid-19 e o carnaval

EDITORIAL

Por Flávio Senra (*)

Nas proximidades da realização de dois eventos tradicionais envolvendo aglomerações, festejos de final de ano e carnaval, a pergunta que mais se ouve nas redes sociais, sem contar os bastidores dos becos e ruas alemparaibanas, é se tais eventos irão acontecer na boa terra mineira que margeia o Rio Paraíba do Sul.

No Brasil, vários prefeitos já se posicionaram e vão liberar e até mesmo bancar os dois eventos, como já afirmou Eduardo Paes, Chefe do Executivo Municipal do Rio de Janeiro, município que, juntamente com o de São Paulo, foi um dos maiores disseminadores do coronavírus no Brasil ao bancar o Carnaval 2020 da Marquês de Sapucaí. Aliás, é a opinião deste editor, atrás do seu sorriso, bem como do trio elétrico, Dudu Paes não é e nunca foi confiável.

Sobre São Paulo, o estado, quase cem municípios já decidiram pela não realização dos Festejos de Momo, posicionamento merecedor de aplausos não só pela conscientização do risco que correm, mas também em respeito às milhares de famílias que perderam entes queridos com a terrível doença exportada para o mundo todo pela China.

Felizmente, temos visto nas redes sociais o posicionamento de vários prefeitos de todos os recantos do Brasil que, enxergando o momento da pandemia ser ainda alarmante, já decidiram que em seus municípios tais eventos, em especial o Carnaval, devem atender as regras impostas até hoje, ou seja, sem aglomerações, obrigatoriedade no uso de máscaras e álcool gel, etc., e que o melhor seria a sua não realização.

Voltemos nossa conversa à nossa Além Paraíba, que em 2020 viu suas ruas lotadas de foliões mediante os desfiles de nossas tradicionais agremiações carnavalescas e os gigantescos blocos, alguns cortando toda a cidade, como é o caso do Jegue Elétrico que sempre sai da Ilha Gama Cerqueira em direção à Ilha do Lazareto, arrastando milhares de foliões.

Até o momento, não sabemos qual será o posicionamento de nosso prefeito, ainda está silente com relação aos dois eventos, em especial o Carnaval. Por que tamanho silêncio?

Além Paraíba, com uma população em torno de 35 mil habitantes, sofreu e ainda sofre com o Covid-19. Até o momento, segundo dados fornecidos pela Secretaria Municipal da Saúde através do Boletim Epidemiológico nº 594 emitido ontem, 24 de novembro, foram 3.794 casos confirmados do Covid-19 no município, existindo ainda 89 casos suspeitos em investigação. Desse total, 3.621 foram curados, grande parte dessas recuperações graças ao esforço e atendimento da equipe liderada pelo médico Dr. Rafael Gracioli no Hospital São Salvador. Infelizmente, para a tristeza de inúmeras famílias alemparaibanas, 163 óbitos foram registrados, um número alarmante que certamente poderá crescer até mesmo dobrar, caso o prefeito não venha tomar uma atitude imediata e dar por fim pelo menos o assunto Carnaval.

Nas redes sociais, através de blogs conhecidos, como o do repórter Adenilson Mendes, o povo já se manifesta favorável a não realização dos Festejos de Momo, restando, portanto o bom senso do Chefe do Executivo Municipal, e porque não dizer das demais autoridades existentes no município, como vereadores, promotores de Justiça, juízes e outros, bem como nossas emissoras de rádio e jornais, e instituições como Associação Comercial e Empresarial (ACEAP), Sindicato Rural, Sinsermap e outras, que mesmo sem o poder da caneta, isto pertencente apenas a Miguel Belmiro de Souza Júnior, podem sensibilizá-lo a tirar de vez esse pesadelo que começa a deixar a maioria da população sem um sono tranquilo.

Na Europa, os casos de coronavírus já começaram sua nova devastação, e a previsão da Organização Mundial da Saúde (OMS) é de que até março cerca de 700 mil óbitos podem ser somados aos 1,5 milhões já ocorridos, um acréscimo que chega perto de 50%. Levando-se em conta tal prognóstico, infelizmente as mortes em Além Paraíba podem chegar a 250.

QUE DEUS NOS PROTEJA!!!

(*) Flávio Senra é o editor do Jornal Além Parahyba desde junho de 1993.