A covardia na rede social mostra o caráter de um indivíduo

EDITORIAL

Por Flávio Senra (*)

Entre o final da noite de ontem (12) e esta madrugada, a rede social alemparaibana, em especial o whatsaap, foi bombardeado com uma arte/vídeo dos mais covardes atacando o médico Dr. Rafael Gracioli, que até a última sexta-feira (07 estava provedor do Hospital São Salvador e certamente ocupará o lugar de onde não deveria ter saído.

O que foi mostrado nesta arte-vídeo em verdade é um verdadeiro crime contra a imagem de quem, por quase dois anos, se dedicou a enfrentar a Covid-19 dentro da instituição HSS, foi contaminado pelo coronavírus e responsável, juntamente com a equipe que montou, por salvar mais de mil pacientes que lá estiveram internados.

Não temos como acusar A ou B, mas entendemos que tal ataque só pode ter sido comandado por alguém ligado à atual administração municipal, o que não quer dizer que esta foi a responsável, um indivíduo que habilmente está ligado à arte digital ou conhece quem poderia tê-la feito, valendo ressaltar que poucos alemparaibanos estão tão bem preparados para tal.

A bem da verdade pode-se dizer que tal indivíduo é um covarde, isto porque não assinou sua “arte” criminosa, e quem o pagou e mandou fazê-la é criminoso mais ainda, sem dizer que certamente um dia irá pagar com juros e correção por seu ato.

Estamos acompanhando de perto tudo o que tem sido feito através de um decreto já repudiado pela maioria do povo alemparaibano que não será esquecido. Um decreto digno de ditadores, como Hugo Chavez e Nicolas Maduro (Venezuela), Fidel Castro (Cuba), Mao Tsé-thun (China), Adolfo Hitler (Alemanha), Josefh Stalin (Rússia) ou Kim Jong-um (Coréia do Norte), certamente os nomes mais repudiados da história mundial dos últimos cem anos.

Que as autoridades policiais, o Ministério Público e o Judiciário tomem as devidas providências para chegar até o responsável por essa arte-vídeo bizarra que ocupou o whatsaap de ontem para hoje, um verdadeiro crime contra a honra de um profissional a quem toda comunidade alemparaibana devia agradecer pelo trabalho que, juntamente com sua equipe, desenvolveu durante a pandemia do coronavírus dentro das paredes da instituição que foi criada e fundada em 1908 pelo médico Dr. Paulo Joaquim Fonseca, daí ela não pertencer nem a municipalidade alemparaibana ou a qualquer politicozinho que está jogando seu nome para sempre na lama.

(*) Flávio Senra é diretor-editor do Jornal Além Parahyba desde junho de 1993.

Fonte: Jornal Além Parahyba, edição 1153