Explosão de casos de Covid-19 afeta a doação de órgãos em Minas

A explosão de casos de Covid-19 em todo o país e a consequente demanda por testes não interferem apenas no monitoramento da doença, mas também no sistema que viabiliza o transplante de órgãos. A demora nos resultados para a detecção do Sars-CoV-2 em possíveis doadores pode ser o motivo para a redução na captação de órgãos em Minas Gerais nas últimas semanas.

Desde o início da pandemia, doadores e receptores de órgãos são testados para a Covid via exame molecular RT-PCR. As análises em Minas são feitas pela Fundação Ezequiel Dias (Funed), entidade sediada em Belo Horizonte que está com grande volume de exames neste momento – segundo o boletim epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde, hoje existem mais de 3 mil testes em análise para Covid, sendo que há duas semanas eram 1.667 (crescimento de 80,3%).

Recorde diários em Minas

Janeiro será o mês com mais contaminados pelo coronavírus em Minas. O recorde do pico de casos pode ocorrer nesta semana devido à disparada de infecções provocadas pela variante Ômicron. Mesmo defendido por alguns especialistas, um recuo nas flexibilizações não está na pauta de governo do Estado.

Dados da Secretaria de Estado de Saúde indicam março de 2021 como mês com mais doentes desde o início da pandemia. Foram 245 mil testes positivos. Porém, apenas nos 21 dias de 2022 já são 239 mil. Desde terça-feira, 20 mil novos casos são registrados a cada 24 horas.

Fontes: Rádio CPN e Agência Minas