Hospital São Salvador já está nas mão de quem nunca deveria ter saída

Interventores abandonaram o HSS à própria sorte. Reintegração do afastados pelo decreto municipal contou com a presença de policiais militares.

Policiais militares acompanharam a reintegração dos dirigentes afastados pela intervenção municipal como foi determinado pelo Juízo da Comarca de Além Paraíba.

Por quase 24 horas, uma vez que os interventores desapareceram como fumaça no ar certamente com a finalidade de não entregar a instituição aos dirigentes afastados que foram reintegrados pelo Juízo da Comarca de Além Paraíba, o Hospital São Salvador, única unidade hospital existente no município que atende toda microrregião alemparaibana, ficou acéfalo, o que veio comprovar, mais uma vez, a total negligência e falta de respeito com toda a população de Além Paraíba e dos municípios vizinhos que lá são atendidos diariamente. Para se ter uma idéia de tamanha irresponsabilidade, estavam internados 31 pacientes, sendo que dois estava na UTI, três aguardavam transferência para outras unidades hospitalares, e seis portadores de Covid-19.

Os interventores foram devidamente notificados da decisão judicial por volta das 18h40min de terça-feira (25), valendo ressaltar que desapareceram da instituição por volta das 14h30min do mesmo dia, sendo que ontem (26), por volta de 16h45min, como não compareceram à instituição para devolver as chaves e documentos que estavam de posse, restou aos afastados que foram autorizados a reassumirem seus cargos e funções solicitar a presença da força policial militar para a efetiva reintegração de posse, o que aconteceu às 17 horas. Acompanhados dos policiais militares Sargento PM Filgueiras e Cabo PM Leonardo, um chaveiro abriu e fez a troca de chaves das dependências onde funcionam todo o setor administrativo e provedoria, reintegrando assim ao HSS o médico-provedor Dr. Rafael Boubee Gracioli, a enfermeira gerente-administrativa Bethânia Reis de Souza, a responsável pelo RH da instituição Jaqueline de Freitas e o Egrégio Conselho da instituição naquele momento representado por alguns conselheiros que acompanhavam o ato.

Uma situação inusitada veio a ocorrer no momento em que os fatos estavam ocorrendo, isto porque um membro da Guarda Municipal que lá estava presente e tinha as chaves em seu poder, se dirigiu aos reintegrados que recebera ordens do interventor José Roberto Monteiro de Faria, também chefe de gabinete do prefeito Miguelzinho, para levar as chaves de volta até a sede da prefeitura que posteriormente seriam entregues no Juízo da Comarca, local onde os reempossados deveriam se dirigir para tê-las de volta. Tal ato, mais uma vez mostra o total desrespeito do Executivo Municipal às determinações do Poder Judiciário, bem como ao HSS e toda população alemparaibana.

Já de posse da instituição, as primeiras medidas tomadas foram verificar se tudo estava em ordem, tendo sido verificado que os interventores haviam deixado de efetuar o pagamento de salários de alguns colaboradores da instituição, formulado fichas de admissão de novos servidores a serem empossados a partir do dia 1º de fevereiro, bloqueado todas as contas bancárias da instituição, etc. Outra medida tomada foi a da contratação de um profissional especializado em computação no sentido de fazer uma verificação geral em todos os computadores do HSS.

“Graças ao bom Deus nosso Hospital está de volta para as mãos de quem nunca deveria ter saído” – “Miguelzinho, por que essa lambança?” – “Bethânia e Dr. Rafael, o povo está com vocês” – “Acabou o pesadelo. A população agora pode respirar aliviada” – “Votei no Miguelzinho e me arrependo amargamente” – “Miguelzinho desrespeitou a memória de seu pai”, etc. Essas foram algumas das incontáveis manifestações da população que foram detectadas na rede social, o que vem mostrar que a população alemparaibana em todos os momentos da intervenção não apoiou o gesto da municipalidade de Além Paraíba.

No anexo, o Boletim de Ocorrência Policial elaborado pelos policiais militares que compareceram para acompanhar a reintegração de posse como foi determinado pelo Juízo da Comarca de Além Paraíba.

Atualização:

Desembargadora da 5ª Câmara de Justiça do TJM suspende decisão do Juízo da Comarca de Além Paraíba e intervenção do HSS volta a vigorar