FORA COPASA!

Mãos ao alto, outra uma vez…

Por Flávio Senra (*)

E o fato novamente se repete em terras banhadas pelo Rio Paraíba do Sul! Sem fazer alarde, a famigerada Companhia de Saneamento de Minas Gerais, empresa concessionária de distribuição de água potável para toda Além Paraíba, saca de sua arma mais poderosa, a sua fatura mensal, e mete a mão grande no bolso da população que está à mercê de uma atitude firme da Administração Municipal que, é o que parece, somente foi corajosa quando promoveu a intervenção do Hospital São Salvador.

As faturas pelo abastecimento de água potável de referência março/2022 já estão de posse da população, e nelas está acrescido o apelidado “Esgoto Dinâmico com Coleta”, algo em torno de 75% do valor do consumo do líquido sagrado, certamente o maior embuste já visto em toda história das Gerais, um assalto à mão armada que é assistido de camarote pelos membros da Casa do Povo de Além Paraíba sem que o Ministério Público e o Judiciário tomem qualquer providência.

Mãos ao alto! É um assalto! Com sarcasmo estas devem ser as palavras ditas pela direção dessa empresa que já é taxada pelos piores adjetivos não só entre os alemparaibanos, mas por todo povo mineiro, do bico do Triângulo até a divisa com as terras baianas, contornando as divisas com os estados de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo. Até quando essa situação vai continuar? Essa foi a indagação que um dileto amigo me fez dias atrás, que todo mês vê escorrer entre seus dedos parte do seu salário em favor dessa empresa que cobra por um serviço que nunca foi executado e dá boas gargalhadas quando surgem as reclamações.

O mesmo amigo me enviou uma sugestão que pode até dar resultado, isto se com a maior brevidade tudo o que chama de assalto não for devidamente devolvido e a empresa receba o pé na bunda (desculpem pelo termo chulo) que merece. Qual a sugestão? Que todos os alemparaibanos, sem exceção, deixem de pagar suas contas de consumo de água e, já que o ano é eleitoral, direcionem a única arma que o povo possui, o voto, boicotando não somente o “chefe” da empresa, no caso o atual governador, mas todos os deputados, federais e estaduais, nas eleições de outubro deste ano.

É uma sugestão, e que ela chegue o mais rápido possível até os ouvidos não somente do governador Romeu Zema e todos os deputados mineiros, mas também aos que lhes oferecem apoio e bajulação. Quero crer que, diante de tamanha insatisfação, em meio a um processo eleitoral que somente quem tem a perder é possuidor de mandato, pode até surgir uma solução que resulte com o fim desse assalto que todo mês o povo mineiro é vítima.

F O R A    C O P A S A !

(*) Flávio Senra é editor do Jornal Além Parahyba desde junho de 1993.