Análise: LulaPalooza e os bilhões para a “cultura” Esquerda recheia os bolsos da “classe artística” que reage como esperado

OPINIÃO

Por Caio Coppolla (*)

A morte precoce de Taylor Hawkins, consagrado baterista da banda Foo Fighters, possibilitou que o rapper Marcelo D2 – entre outros menos talentosos – fosse convidado, às pressas, para “substituir” a atração internacional e se apresentar no palco principal do Lollapalooza, um dos maiores festivais de música do país. Assim, o imenso público, que havia comprado ingressos para um show grandioso, teve de se contentar com um comício eleitoral medíocre, o “LulaPalooza”.

Ao invés de honrar a memória do recém falecido ícone do rock e prestar um tributo genuíno à sua obra na forma de música, Marcelo D2 preferiu dar vazão ao seu egoísmo militante puxando coro e puxando o saco de um ex-criminoso condenado por corrupção e lavagem de dinheiro: “Olê, olê, olê, olá! Lula, Lula!”. Sim, a bajulação é constrangedora e o contexto só agrava a situação… mas não surpreende que a esquerda se utilize da tragédia alheia como palanque político, um modus operandi levado ao estado da arte durante a pandemia: às vezes de forma tosca, como a performance panfletária de D2; outras vezes de maneira mais sútil, quase subliminar – um estratagema bem mais eficaz para avançar agendas, disfarçando intenções.

Basta ver os nomes que batizaram as duas leis de fomento à cultura aprovadas pelo Senado às vésperas do processo eleitoral: a Lei Paulo Gustavo prevê o repasse de R$3,8 bilhões de verbas federais para Estados e Municípios investirem em “cultura”, priorizando ações protagonizadas por pessoas LGBTQIA+ e outros grupos identitários; já a nova Lei Aldir Blanc estipula um repasse federal de R$3 bilhões de reais por ano (até 2027) para prefeituras e governos financiarem “iniciativas culturais”. Aldir Blanc foi um dos maiores letristas da MPB e Paulo Gustavo era um ator imensamente popular; ambos foram vítimas de uma pandemia que, segundo a esquerda, é de responsabilidade integral e exclusiva do Presidente da República. Basta um pouco de raciocínio político para compreender que batizar leis com esses nomes é menos uma homenagem legítima e mais uma propaganda política de enorme apelo emocional.

Convenhamos, é muito mais fácil aprovar no Congresso uma legislação apelidada de Lei Aldir Blanc do que fazer andar o PL 1.518/21 – nome técnico desse projeto de autoria de Jandira Feghali, Alexandre Frota e outros deputados do PT, PSOL e PCdoB. A lei estabelece uma nova política nacional de fomento à cultura, que está privilegiando a “classe artística” com cerca de 20 bilhões de reais de dinheiro público nos próximos 5 anos. Num país em que milhões de pessoas vivem em extrema pobreza, sem acesso a saneamento básico, educação, saúde e segurança, essa não parece ser uma prioridade orçamentária razoável… daí a estratégia de usar nomes de artistas para aumentar a receptividade dos projetos no parlamento, entre os veículos de imprensa e junto ao eleitorado.

Na prática, é a esquerda propondo a distribuição pouco criteriosa de bilhões de reais para conquistar corações, mentes e bolsos de artistas em pleno ano de eleição. Mas quem se insurgir contra isso, não estará criticando leis que privilegiam o setor cultural em detrimento da população mais necessitada do país… não, quem ousar levantar a voz estará indo contra a própria memória de Paulo Gustavo e Aldir Blanc. Por isso, não impressiona nem um pouco que ambas as leis tenham sido aprovadas sem grande resistência. Mas uma coisa é fato: na crise, a esquerda brasileira prefere rechear a carteira de artistas do que colocar comida no prato do povo – e se pressionado do jeito certo, o Congresso Nacional não hesitará em colaborar com esse absurdo.

(*) Caio Coppolla é bacharel em Direito pela USP, comentarista político, articulista, palestrante e apresentador do Boletim Coppolla, na Rádio & TV Jovem Pan.

Fonte: Gazeta do Povo