1º   D E   A B R I L

Dia da Mentira: 7 verdades na história que mais parecem ‘fake news’

Na história da humanidade, há fatos que mais parecem mentiras de tão surreais.

Dia da Mentira é celebrado em todo 1º de abril — Foto: Pixabay/divulgação

O Dia da Mentira é celebrado nesta sexta-feira, 1º de Abril. Na data, é comum que as pessoas preguem peças umas nas outras, espalhando mentiras inofensivas (veja abaixo as origens da data).

Na história da humanidade, há fatos que mais parecem mentiras de tão surreais. Listamos sete acontecimentos que mais parecem “fake news”. Confira:

Romanos usavam xixi como enxaguante bucal

Bem nojento, né? Mas, na antiguidade, romanos bochechavam urina humana porque acreditavam na propriedade da amônia como um clareador de manchas dos dentes.

Humanos conseguem nadar nas artérias do coração de uma baleia azul

Medindo cerca de 10 metros, o que equivale a um prédio de dez andares, a baleia-azul é o maior mamífero da Terra. Consequentemente, o coração dela também é. O órgão é tão grande que um ser humano conseguiria nadar nas artérias do coração da baleia.

Matar o pai era um crime hediondo, mas matar filhos era permitido na Roma Antiga

No Império Romano, os homens tinham tal poder sobre suas famílias, que era aceitável que um patriarca tirasse a vida de seus filhos, se assim julgasse correto. O contrário, porém, era considerado crime hediondo.

Escritora conservou coração do marido em seu escritório

Autora do livro Frankenstein, a escritora britânica Mary Shelley teve que lidar com a morte desde muito cedo, tendo perdido alguns filhos e o marido ainda jovem. Mas do companheiro ela não quis se desapegar. Após a morte dele, ela mandou cremá-lo, mas conservou o coração no escritório dela por anos – o fato foi descoberto apenas após a morte dela.

Vibradores foram criados porque as mãos dos médicos ficaram cansadas

Você leu certo. No fim do século XIX, médicos provocavam orgamos em suas pacientes para tratá-las da histeria, mas ficavam com as mãos cansadas. Então, em 1880, Joseph Mortimer Granville criou o aparelho para auxiliar no tratamento.

DNA de humanos é 50% idêntico ao da banana

Se algum dia alguém te chamar de banana, essa pessoa estará metade certa. Isso porque cientistas descobriram que a fruta tem sequenciamento genético 50% idêntico ao dos seres humanos.

Uma onda gigante de melaço matou 21 pessoas

Em 1919, 21 pessoas morreram em Massachusetts, nos Estados Unidos, após 2,5 milhões de galões de melaço explodirem em uma fábrica. O material provocou uma onda de sete metros de altura em uma velocidade de 56 KM/h.

Por que o 1º de abril é considerado o Dia da Mentira?

A origem da brincadeira do “Dia da Mentira”, lembrada todo ano no dia 1º de abril, tem relação com o ano novo e se deve à mudança no calendário cristão, instituída no século XVI.

A explicação vem da França, no reinado de Carlos 9º. Lá, o ano novo começava a ser comemorado em 25 de março, com a chegada da primavera, e só terminava uma semana depois, no dia 1º de abril.

A data era marcada por grandes festas e diversas trocas de presentes. No entanto, em 1562, o papa Gregório 13 instituiu o chamado calendário gregoriano para todo o mundo cristão, no qual o ano novo passou a ser no dia 1º de janeiro.

Qual a origem do Dia da Mentira?

Por dois anos, o rei francês resistiu e manteve a comemoração do ano novo na antiga data, mas, em 1564, seguiu o decreto papal. Mesmo assim, muitos franceses não se desprenderam de seus costumes e continuaram com a antiga celebração.

Parte da população começou a ridicularizar o apego das pessoas com a antiga data e as apelidaram de os “bobos de abril”. A partir daí, começaram a pregar peças, enviando convites para festas que não existiam e presentes estranhos. A brincadeira firmou-se em todo o país e depois se espalhou para o resto do mundo.

Fonte; Jornal O Tempo