Esposa do prefeito teria dado Carteirada na Unidade de Saúde da Ilha Gama Cerqueira

Sexta-feira, dia 1º de abril, parte da manhã, Posto de Saúde da Ilha Gama Cerqueira.

Uma mulher, acompanhada de um filho menor, dirige-se até a citada Unidade de Saúde onde é atendida pelo auxiliar de enfermagem José Carlos de Medeiros, na verdade já habilitado como enfermeiro pela Fundação Educacional de Além Paraíba, com pós-graduação em Urgência e Emergência e Gestão em Políticas Públicas, 26 anos como servidor municipal concursado, mais um como contratado no Hemominas de Além Paraíba.

Segundo José Carlos, a mulher levou seu filho menor para ser vacinado e, seguindo os protocolos exigidos pela Secretaria Municipal de Saúde, foi-lhe solicitado o Cartão do SUS. Como resposta, a digna senhora respondeu que não tinha tal documento e que certo Robertinho havia afirmado que tal cartão não estava sendo impresso. Como o auxiliar de enfermagem insistiu na cobrança do documento, a mulher, mostrando certa altivez, teria dito-lhe a seguinte frase: “EU SOU ESPOSA DO PREFEITO!”, ou seja, tentou dar uma carteirada como é dito no popular. José Carlos, em resposta disse: “Muito prazer, meu nome é José Carlos de Medeiros”

A partir daí, ao que parece, um espetáculo foi armado. Horas depois, quando José Carlos já havia cumprido sua carga horária e seguido para sua residência casa (mora na vizinha cidade de Carmo-RJ), teria chegado até a Unidade de Saúde o prefeito Miguelzinho que, segundo informações oficiosas, mostrara toda sua “AUTORIDADE” comunicando que voltaria nesta segunda-feira, dia 04 de abril, para tirar satisfações com o servidor público. Miguelzinho ainda teria afirmado que o servidor em questão era alvo de várias reclamações de usuários dos serviços daquela unidade, como maus-tratos, falta de educação, etc.

No dia seguinte, José Carlos, na busca de levar ao conhecimento o ocorrido e mostrar que fora ameaçado, fez contato com o editor do Jornal Além Parahyba, Flávio Senra, já que, é o que parece e foi constatado pela reportagem, certa subserviência por parte de algumas servidoras da unidade existe, o que certamente poderia lhe ser prejudicial.

Na manhã desta segunda-feira, dia 04 de abril, Flávio Senra dirigiu-se até aquele local que estava relativamente vazio, tanto que quatro funcionárias estavam de bate-papo na recepção, onde, numa pequena sala foi dado início a uma conversa com José Carlos sobre o ocorrido, com este confirmando tudo que ora é relatado. Não passara cinco minutos e um bater na porta foi ouvido, imediatamente aberta, ocasião em que uma das participantes do bate-papo disse algo parecido à frase a seguir: “A Bia manda avisar que aqui não pode ser dado entrevistas sobre qualquer assunto relacionado à unidade, e caso continue irá telefonar para a Polícia Militar, e a ordem era do secretário de Saúde”.

Como a conversa já estava no final e era apenas para tomar nota de alguns dados, José Carlos foi para sua sala, e Flávio Senra, dirigindo-se a dita Bia e as demais servidoras que a acompanhavam na recepção, enfatizou que não tinha, como não tem, receio de polícia, prefeito, juiz, promotor ou qualquer outra autoridade, mas sim respeito, e respeito não é dado, mas sim adquirido.

Dando continuidade à sua exposição, o editor do site do Jornal Além Parahyba informou que iria, a partir daquele momento, visitar moradores que circundam aquela Unidade de Saúde, certamente os que melhor poderiam oferecer informações sobre o servidor municipal que seria alvo de reclamações, como ser deseducado, tratar mal os usuários dos serviços daquela unidade de saúde, etc. Enfatizando o motivo da entrevista, ao todo 38 moradores ficaram estupefatos com o ocorrido, nenhum tecendo qualquer crítica, por menor que fosse ao servidor José Carlos de Medeiros. Ao contrário, muitos afirmaram que ele sempre foi atencioso, educado e prestativo, tanto que até se prontificaram em promover um abaixo-assinado em sua defesa.

Enquanto conversava com moradores, a dita Bia, que seria coordenadora da Unidade de Saúde, ao que parece tendo trabalhado anteriormente como recepcionista-contratada na sede da prefeitura, foi vista saindo do local em um automóvel. Teria ido até as autoridades policiais fazer alguma queixa?

Segundo informações oficiosas, o prefeito Miguelzinho não esteve na Unidade de Saúde como prometera na última sexta-feira, dia 1º de abril, mundialmente chamado de o Dia da Mentira…

NOTA DA REDAÇÃO: Inicialmente, quando recebera a informação do servidor municipal, a ideia do editor Flávio Senra era ouvir seu relato e de possíveis testemunhas, e a seguir buscar ouvir a outra parte da questão, no caso a esposa do prefeito, quem sabe até mesmo este. Entretanto, diante dos fatos ocorridos dentro da Unidade de Saúde na manhã desta segunda-feira, envolvendo até mesmo a ameaça de chamamento de policiais militares, o veículo Jornal Além Parahyba se vê no direito de nada ouvir da outra parte, deixando em aberto o devido espaço para o Sagrado Direito de Resposta, desde que venha de forma educada.