Minas Gerais suspende a vacinação contra a febre aftosa em 2023

Neste ano, as etapas de vacinação de maio e novembro devem ser cumpridas normalmente.

Minas Gerais fará, neste ano, as últimas etapas da Campanha de Vacinação contra a Febre Aftosa. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) anunciou dia 30 de abril, durante a abertura da Expozebu em Uberaba, no Triângulo Mineiro, a suspensão da vacinação contra a doença, a partir de 2023, para Minas e outros seis estados que fazem parte do Bloco IV do Plano Nacional de Vigilância para a Febre Aftosa e cumpriram os pré-requisitos do plano estratégico para a dispensa da imunização.

Para o pecuarista, o avanço se traduz em redução dos custos de produção, abertura de novos mercados e melhor remuneração pela tonelada exportada. Minas Gerais se junta aos estados de Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, Acre, Rondônia, parte do Amazonas e parte do Mato Grosso, que já possuíam o status de área livre de aftosa sem vacinação.

O último registro da doença no estado foi em 1996. Após anos de adesão dos pecuaristas às campanhas de vacinação e de vigilância sanitária, a doença foi considerada erradicada no estado em 2001 pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Desde então, Minas Gerais é reconhecido pelo órgão internacional como zona livre de febre aftosa com a obrigatoriedade de vacinação.

Para o secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Thales Fernandes, a decisão do ministério foi uma grande conquista para o estado. “A retirada da vacina deve abrir as portas de novos mercados, que exigem dos exportadores o status de livre de febre aftosa sem vacinação e remuneram melhor os produtos vindos desses países. Nós vamos poder comercializar nossos produtos acima do valor obtido hoje, como fazem os estados que já retiraram a vacinação de seus rebanhos”, afirma.

O Governo de Minas estipulou o repasse de R$ 42,2 milhões para a modernização de estruturas e fortalecimento das atividades realizadas pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), órgão vinculado à secretaria de Agricultura responsável pelo serviço de fiscalização e vigilância sanitária vegetal e animal no estado. O recurso é proveniente do Termo de Reparação de Brumadinho firmado pelo Governo de Minas com a mineradora Vale e está sendo destinado à renovação da frota e melhorias nas unidades administrativas e nas barreiras de fiscalização sanitária.

Campanha Atual

As etapas de vacinação deste ano devem ser cumpridas nos meses estabelecidos. Em maio, Minas Gerais inicia a primeira etapa da vacinação no estado e em novembro realiza a segunda etapa. “O produtor tem que cumprir o calendário e providenciar a vacinação nos meses previstos. Caso não faça isso, ele não estará contribuindo para a efetiva imunização do rebanho, além de correr o risco de ser autuado e penalizado com multas, conforme previsto na legislação”, alerta o secretário Thales Fernandes.

Fonte: Agência Minas | Foto: Fabiana Fernandes/pixabay