Interventor desiste de sucatear aparelho de Raio-X do HSS após reportagem-denúncia apresentada pelo Site do Jornal Além Parahyba

Ministério Público é acionado no sentido de impedir que barbárie que o interventor, com o aval do RT do HSS, pretendia fazer transformando em sucata um dos aparelhos de Raio-X da instituição.

HSS
Hospital São Salvador, Além Paraíba/MG.

Diante da reportagem-denúncia formalizada ontem, quinta-feira (05), por este veículo de comunicação (vide link: www.jornalalemparahyba.com.br/2022/05/05/interventor-manda-desmontar-com-orientacao-do-rt-da-instituicao-um-dos-aparelhos-de-raio-x-do-hospital-sao-salvador/), onde foi relatado que um dos aparelhos de Raio-X do Hospital São Salvador estaria, desde segunda-feira (02) sendo desmontado e poderia ser transformado em sucata, isto sendo autorizado pelo interventor José Roberto Monteiro de Faria,, também Chefe de Gabinete do prefeito alemparaibano Miguelzinho, com o aval do Responsável Técnico da instituição, enfermeiro Denis Pimentel, tal fato acabou sofrendo um revés surpreendente e inesperado. Segundo informações recebidas por fonte de total confiança que ora é mantida em sigilo já que pode receber retaliações da interventoria que inclusive já se mostrou capaz de tamanha covardia ao demitir alegando justa causa uma funcionária com cerca de 43 anos de carteira assinada, fato também noticiado por esse veículo de comunicação (vide link www.jornalalemparahyba.com.br/2022/05/05/interventor-do-hospital-sao-salvador-comete-mais-uma-sandice-dentro-da-instituicao/), a alegação para o sucateamento do aparelho de raio-x veio da afirmativa de que o “que dá dinheiro no HSS  é internação de pacientes e não serviço de tal natureza que na atualidade tem pouca demanda dentro da instituição, tanto que pretendia-se utilizar o espaço que no aparelho ocupava para criar mais um leito hospitalar”. O aparelho, que em números atais deve custar algo acima de R$ 100 mil, seria desmontado e jogado em um canto qualquer dentro da instituição e, a seguir, seria recolhido como sucata. Tão logo tomou conhecimento da notícia-denúncia, a enfermeira Bethânia Reis de Souza, diretora-administrativa afastada pelo decreto municipal de intervenção, fez contato com o editor do Jornal Além Parahyba, Flávio Senra, relatando que tal situação seria literalmente absurda. “Para piorar, colocar leito hospitalar em área restrita com risco de contaminação por radiação que em nada resolverá por ser apenas mais um leito. O local é contaminado com radiação. Nunca vi tamanha atrapalhada!, ressaltou a enfermeira. Na reportagem-denúncia, Flávio Senra fez um apelo conclamando o Poder Judiciário e o Ministério Público da Comarca de Além Parahyba, as autoridades policiais já que tal situação certamente seria criminosa já que o equipamento pertence ao HSS e não ao município, bem como todos os membros da Câmara Municipal, veículos de comunicação alemparaibanos que não estejam debaixo do balaio” da atual administração municipal, e toda população já que a situação é de grande gravidade .Ao final da reportagem-denúncia, fotos clicadas dos equipamentos sendo desmontados foram apresentadas. As fotos, foi salientado, foram enviadas ao Jornal Além Parahyba diante da promessa de manter em sigilo o nome do remetente.

REPERCUSSÃO

A repercussão da notícia foi das mais relevantes, tendo sido visualizada por mais de 1,8 mil leitores, a maioria taxando a situação absurda e incoerente por parte de quem, já que foi escolhido para ser o interventor, deveria cuidar do patrimônio existente na instituição Hospital São Salvador e não destruí-la já que esta  é de ordem privada e não pertence ao município. Diante de tudo isso, na tarde desta sexta-feira, dia 06 de maio, cerca de 20 membros do Conselho da Instituição afastados por força de um esdrúxulo decreto municipal de interdição que tem assombrado aquela Casa fundada em 1908, pelo médico Dr. Paulo Joaquim da Fonseca, que aliás também foi prefeito de Além Paraíba, se uniram ao provedor afastado, Dr. Rafael Boubee Gracili da Silva, e decidiram entrar com uma representação contra o interventor José Roberto Monteiro de faria, requerendo as providências cabíveis por parte do Ministério Público que intervenha imediatamente na recondução dos rumos que ora estão sendo seguidos – no caso específico o desmonte do aparelho de raio-x. Salientando que o decreto de interdição municipal não admite ao interventor cometer tamanha barbárie, ou seja, os aparelhos de raio-x não podem ser alienados ou inutilizados ao bel-prazer e interesse do interventor, eis que pertencem ao patrimônio mobilizado do HSS, a petição, que contou com o aval de 19 membros do Conselho da instituição requereram da Promotoria a urgência devida para equalizar o equilíbrio de forças, eis que o interventor está em muito ultrapassando a barreira da legalidade e agora, poderá prejudicar ainda mais o atendimento público da saúde municipal. Segundo informações oficiosas, tão logo a reportagem-denúncia tornou pública a barbárie que seria cometida, o interventor teria sido interpelado pela municipalidade para desistir de sua intenção. Abaixo, todo o teor da representação apresentada junto ao Ministério Público da Comarca de Além Paraíba