Governo mineiro pede prioridade na vacinação para professores e profissionais da educação

Ofício enviado ao Ministério da Educação ressalta importância da imunização para retorno às aulas presenciais no estado.

Em ofício enviado ao Ministério da Educação (MEC), o Governo de Minas Gerais formalizou o pedido para que a comunidade escolar seja incluída no grupo prioritário na vacinação contra a Covid-19. O documento, enviado na última sexta-feira (9), foi assinado pelo governador Romeu Zema e pelos secretários de Estado da Saúde, Fábio Baccheretti, e de Educação, Júlia Sant’Anna.

De acordo com Zema, o pedido foi para que professores e profissionais da área da educação sejam prioridade no Plano Nacional de Imunização (PNI). “Enviamos um documento que reforça a importância da inclusão da comunidade escolar como grupo prioritário no PNI, para que as aulas presenciais possam voltar de forma segura”.

O ofício enviado ao ministro da Educação, Milton Ribeiro, explica a importância da imunização dos trabalhadores da Educação como um aditivo ao protocolo de Saúde criado por um grupo de trabalho no Estado com orientações para o retorno das aulas presenciais.

“As aulas presenciais são um pilar no desenvolvimento intelectual, social e emocional dos estudantes. A vacinação da comunidade escolar reforçaria as ações implementadas no Estado para a garantia de um retorno seguro da atividade educacional”, afirmou Romeu Zema.

Plano de retorno tem por base o Minas Consciente

Conforme o Governo de Minas, o grupo de trabalho, ligado ao Comitê Extraordinário Covid-19, foi formado por técnicos, principalmente das secretarias de Saúde e Educação. Ao analisarem artigos científicos e experiências nacionais e internacionais relevantes, o grupo concluiu que o retorno às aulas presenciais é benéfico, especialmente no que se diz respeito à saúde mental e física de professores e alunos.

A partir dessa conclusão, foi elaborado um relatório para embasar as ações do Governo de Minas a fim de permitir o retorno à atividade. Como estratégias para o ensino híbrido, a secretaria de Estado de Educação utilizará as diretrizes do plano Minas Consciente para uma retomada gradual e segura.

No documento consta a necessidade de um retorno “monitorado, gradual, alternado, seguro, comunicado, híbrido e facultativo”. Outro ponto é em relação à importância de se seguir as regras de distanciamento definidas pelo Minas Consciente nas ondas vermelha, amarela e verde.

O Estado ainda deve monitorar os indicadores, tornando possível a suspensão temporária das aulas em classes, escolas, municípios ou estado, de acordo com a situação da pandemia. Por fim, quando necessário, deve haver preferência para o ensino infantil e os primeiros anos do fundamental em relação aos demais.

Fonte: Tribuna de Minas / Foto: Reprodução