Combate ao furto de energia recupera cerca de 355 mil KWh em seis meses

Montante é equivalente ao consumo de 4 mil residências populares em um mês.

Cerca de 355 mil kWh de energia foram recuperados durante o primeiro semestre deste ano na área de concessão da Energisa em Minas Gerais. Este montante foi desviado ou não registrado pela concessionária por causa de irregularidades no sistema de medição por intervenção de terceiros e ligações ilegais, o famoso gato. Um prejuízo em torno de R$ 350 mil, suficiente para abastecer aproximadamente 4 mil casas populares mensalmente, o que equivale ao consumo de energia, em um mês, de 80% do município de Astolfo Dutra.

Para isso, já foram realizadas mais de 3 mil inspeções somente este ano e identificadas cerca de 250 irregularidades, por meio de análises de histórico de consumo e denúncias. A notificação e regularização de fraudes e furtos de energia é fundamental para a qualidade no fornecimento de energia elétrica para todos os clientes. A prática, inclusive, é crime previsto no Código Penal Brasileiro, com pena que varia de um a quatro anos de reclusão.

Outro fator de atenção para a concessionária é o risco à segurança da população, isso porque, as ligações clandestinas irregulares são feitas por pessoas que não tem conhecimento técnico, utilizam materiais inadequados e, muitas vezes, encostam na rede energizada acarretando acidente. Além da probabilidade de acidente, pode acarretar a falta de energia, causando prejuízos para os clientes regulares.

A rede elétrica é planejada para atender os clientes regulares e cadastrados nos sistemas da companhia. O furto prejudica a qualidade e segurança do fornecimento da energia elétrica, porque impacta diretamente na qualidade de energia para o cliente regular. “É como, por exemplo, você preparar uma festa para 20 pessoas e, de repente, aparecem 40. Com certeza, vai faltar comida para alguém. Há ainda o risco de acidente por choque elétrico. Por isso, orientamos que os clientes sempre busquem a Energisa para regularizar a situação. Há outras formas de economizar, como mudando hábitos de consumo, substituindo equipamentos antigos por novos com menor consumo e até se inscrevendo na tarifa social, se preencher os requisitos do governo”, explica Luciano Lima, gerente de Serviços Comerciais da Energisa Minas Gerais.

De acordo com o gerente da Energisa, quando a fraude é identificada, além da regularização e abertura do Boletim de Ocorrência, a concessionária tem como cobrar os valores retroativos, referentes ao período da irregularidade, ou seja, em que a pessoa usou energia, mas não pagou. Os procedimentos para efetuar esta cobrança estão previstos na Resolução 414/2010 da Aneel. O fornecimento de energia também é interrompido como medida de segurança até que a situação seja regularizada, já que caracteriza risco iminente de danos a pessoas, bens ou ao funcionamento do sistema elétrico.

“Este ano, até junho, já investimos cerca de R$ 700 mil em ações de combate ao furto de energia. Temos o compromisso de distribuir energia com qualidade e segurança para os nossos clientes e isso também passa pela redução das irregularidades. A população notou que o combate ao furto de energia é um dever de todos, pois além de criar a concorrência desleal entre comerciantes, uma parcela desse furto é repassada na tarifa de energia elétrica, por esse motivo denuncie as irregularidades em nossos canais de atendimento da Energisa”, concluiu Luciano Lima.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Energisa Minas Gerais | Foto: Energisa – Divulgação