Energisa informa que áreas rurais estão recebendo investimento na rede elétrica

Equipamentos desenvolvidos pela Energisa reduzem as interrupções de energia.

Sempre buscando novas tecnologias e investindo em automatização do sistema, a Energisa está concluindo neste mês de setembro a instalação de 60 religadores monofásicos na rede elétrica de áreas rurais da sua área de concessão em Minas Gerais. Um investimento de R$ 750 mil, beneficiando clientes de 32 cidades.

Mais fáceis de instalar, com menor custo e automatizados, os novos religadores monofásicos, produzidos pela própria Energisa, garantem maior confiabilidade no fornecimento de energia e permitem a comunicação remota com o Centro de Operações, que monitora 24 horas por dia todo o sistema elétrico.

Estes equipamentos funcionam como um mecanismo de proteção, ajudando a eliminar curtos-circuitos, provocados, por exemplo, por descargas atmosféricas ou contato de pipa e galhos de árvores com as redes, ocorrências comuns nas áreas rurais. Entre os benefícios, eles também permitem o monitoramento da rede elétrica e a realização de manobras automatizadas em casos de interrupção de energia para redes monofásicas.

“Isso quer dizer que operamos os equipamentos à distância, permitindo mais agilidade no restabelecimento do fornecimento de energia, sem que haja a necessidade de enviar uma equipe ao local. Além disso, estes equipamentos ajudam a evitar falta de energia causada por problemas temporários na rede”, ressalta Antônio Renato de Freitas, coordenador de Qualidade da Energisa.

O equipamento tem um diferencial entre os que já existem no mercado, explica Freitas: “os nossos religadores já vêm com o recurso de telecomando. Ou seja, não precisamos adquirir o módulo de comunicação. Com isso, reduzimos muito o custo. O equipamento também é fechado, o que reduz a taxa de falhas, e ainda permite integrar aos sistemas supervisórios da rede de Operação, tornando-o automatizado”. O religador monofásico criado pela Energisa já obteve todas as certificações internacionais necessárias para comercialização.

Fonte e fotos: Assessoria de Comunicação da Energisa