domingo, julho 14, 2024
DESTAQUELOCAISNOTÍCIAS

FCA transformou em sucata locomotiva tombada pelo Patrimônio Municipal Histórico e Cultura de Além Paraíba

Fato, considerado como criminoso, será levado ao conhecimento do MP do Patrimônio Histórico-Cultural da Comarca de Além Paraíba solicitando as providências cabíveis.

Uma pequena locomotiva a diesel que por décadas funcionava como manobrista nas oficinas da RFFSA de Além Paraíba e no pátio da Estação Ferroviária de Porto Novo, tombada pela Lei Municipal nº 2069/2001 como Patrimônio Histórico-Cultural do município alemparaibano, acabou tendo um triste destino quando caiu nas mãos da Ferrovia Centro Atlântico (FCA) na ocasião em que a Rede Ferroviária Federal foi privatizada.

Conhecida junto à classe ferroviária como “Dondoca”, a locomotiva foi construída nas oficinas da RFFSA de Bicas-MG no ano de 1975, e tão logo entrou em atividade foi removida para Além Paraíba com a condicionante de auxiliar como manobrista nas oficinas alemparaibanas e no pátio da Estação Ferroviária de Porto Novo.

Não se sabe precisamente quando, tudo indica pelos idos dos anos de 2004/2005, a “Dondoca” acabou sendo “transferida” para o pátio de Praia Formosa, no Rio de Janeiro, pela empresa FCA que havia assumido a estatal que havia sido privatizada. Naquele local, uma espécie de campo de concentração nazi-fascista para abrigar os restos da Ferrovia, a “Dondoca” acabou virando sucata.

Pelos idos de 2009, um grupo de aficcionados com a história e a preservação da história da Ferrovia no Brasil, membros da ABPF de Porto Novo, hoje apoiadores do Museu de História e Ciências Naturais, descobriram que a locomotiva estava totalmente destruída, tendo se transformado numa verdadeira sucata.

Passado mais algum tempo, pelos idos de 2020/2021, a Comissão Pró-Ferrovia da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, através do então deputado João Leite, foi denunciada a situação e cobrada providências à FCA, que fez olhos e ouvidos de mercador, ou seja, nada fez no sentido de ao menos tentar resgatar o que sobrava da “Dondoca” que tanto trabalhou e viveu histórias na boa terra alemparaibana.

Em conversa ontem, terça-feira, dia 09 de julho, com o professor André Martins Borges, diretor do Museu de História e Ciências Naturais, este revelou que estará levando tal fato até o Ministério Público do Patrimônio Histórico-Cultural da Comarca de Além Paraíba, no sentido de cobrar daquele órgão público medidas severas contra a Ferrovia Centro Atlântica, responsável pelo dano que causou a uma importante ferramenta utilizada pela classe ferroviária alemparaibana, valendo lembrar que muito da história do município de Além Paraíba se deve à Ferrovia, em especial à Estrada de Ferro Leopoldina e a Rede Ferroviária Federal.
Abaixo, imagens da “Dondoca, a saber…

Já com a logomarca da FCA e já tombada como parte do Patrimônio Histórico-Cultural de Além Paraíba, a “Dondoca foi levada para Praia Formosa, uma espécie de campo de concentração nazi-fascista para exterminar restos ferroviários:

Mais quatro imagens dos restos da “Dondoca” no pátio da Praia vermelha, no Rio de Janeiro, um verdadeiro crime da FCA com algo que havia sido tombado como patrimônio do município de Além Paraíba através da Lei Municipal nº 2069/2002: