domingo, julho 14, 2024
DESTAQUENOTÍCIASREGIÃO

Sindtanque-MG ameaça paralisação se governos não negociarem com transportadores

Entidade quer redução de impostos sobre o diesel e mudança no cronograma de pagamento do IPVA.

O Sindicato das Empresas Transportadoras de Combustível e Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (Sindtanque-MG) alertou, em postagem de suas redes sociais, ontem, terça-feira (9), que transportadores rodoviários de cargas poderão realizar uma paralisação para reivindicar contra a reoneração do diesel a partir de 1º de janeiro e contra a exigência de pagamento do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores IPVA no dia 15 de janeiro.

“Trata-se de um movimento nacional dos transportadores que vem travando verdadeiras batalhas para se manterem rodando. apostamos na negociação e no diálogo com as autoridades na busca de soluções para as justas reivindicações do setor. porém, diante da intransigência dos governos estaduais e federal, estaremos juntos, firmes e fortes com os transportadores em caso de paralisações e greves”, afirmou Irani Gomes, presidente do Sindtanque-MG.

No final de dezembro, a entidade já havia falado na possibilidade de uma paralisação na virada do ano caso não houvesse negociação com o Governo de Minas sobre a tabela do IPVA. Não houve negociação, mas também não aconteceu uma paralisação dos tanqueiros.

De acordo com a entidade, os valores cobrados de IPVA são altos e janeiro é um dos períodos do ano mais difíceis para a sociedade. Além disso, o ICMS sobre combustíveis voltou a ser cobrado em alguns estados e a volta da cobrança dos impostos federais podem acarretar em uma alta do diesel – que pode impactar no valor do frete.

Após oito semanas de queda nas bombas, o preço do diesel voltou a subir nos postos brasileiros, já com repasses da retomada da cobrança de impostos federais sobre o combustível. Na semana passada, o diesel S-10 foi vendido, em média, a R$ 5,97 por litro. A alta, de R$ 0,03 por litro, é a primeira desde o início de novembro, de acordo com os dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Já o presidente do Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas e Logística de Minas Gerais (Setcemg), Antônio Luis da Silva Junior, afirmou que esta entidade representativa é contrária a qualquer manifestação neste momento. Segundo ele, uma paralisação pode ser muito cara para o setor de transporte. “Se o diesel aumenta, o transportador tem que alterar a sua planilha de custos e mexer no valor do frete”, explicou.

O Governo de Minas não manifestou intenção em mudar o cronograma de pagamentos do IPVA, que tem início em 15 de janeiro, e os impostos federais sobre o diesel já são cobrados integralmente desde o dia 1º de janeiro.

Fonte: Jornal O Tempo